quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Libermédia apresenta guia turístico das praias de Luanda



Fonte: Jornal de Angola (Jornal ao serviço do poder instalado)


Gabriel Bunga

A Libermédia Produções (empresa de serviços de imagem, catálogos, brochuras e fotografias) apresentou ontem à imprensa, em Luanda, um guia turístico das praias da cidade, no âmbito das comemorações dos 434 anos da capital.
A revista visa oferecer informação diversificada sobre centros turísticos de Luanda a turistas nacionais e estrangeiros.O guia das praias inclui, entre outras atracções, uma completa descrição e localização das praias, restaurantes, alojamentos e locais de interesse turístico, numa extensão de 150 quilómetros, começando por Cabo Ledo e Caxito, passando pelo Mussulo e pela Ilha do Cabo.
De acordo com a directora da empresa, Ossanda Líber, que falava em conferência de imprensa ontem no Hotel Continental, a presente edição da revista “Luanda Coast 2008” será de grande utilidade a todos aqueles que precisam de explorar as belíssimas praias de Luanda.
Para além da “Luanda Coast 2008”, está no pacote de projectos da LiberMédia mais um Website de lugares turísticos da capital do país e mais um guia que se ocupará de informações sobre museus, igrejas, hotéis e outros espaços públicos que podem estar à disposição dos turistas.
De publicação anual, a revista tem oitenta páginas e custa mil e 200 Kwanzas.



Comentário:Gostaria imenso de acreditar, que os conteúdos informativos que este guia turístico se propõe, tivessem aplicação na realidade, no terreno.Isto é, que Angola tivesse na realidade todas as infra-estruturas necessárias capazes de oferecerem ao " turista e ao turismo" e acima de tudo, conseguissem assegurar uma simbiose entre o preço/qualidade dos serviços prestados.

Esta notícia, veio mesmo a calhar.No passado fim de semana, realizou-se em Lisboa a Feira Turimo de Lisboa (BTL), que tive a oportunidade de visitar.As ofertas eram muitas e variadas.Para todos os gostos e carteiras.Sabendo antecipadamente que os países que integram os PALOP iriam estar presentes, com as suas ofertas.Era normal que estivesse curiosa para conhecer as ofertas de Angola.Pelas razões sobejamente conhecidas, uma delas, que é o país de África com maior índice de desenvolvimento.E também, porque tenho consciência que Angola tem enormes potencialidades para desenvolver e apresentar uma oferta de turismo ao nível dos melhores do mundo.

Qual não foi o meu espanto, ao chegar ao Stand de Angola, constato que o mesmo era igualzinho ao do ano passado, não apresentava novidades, nem mesmo em termos do design visual.Como sabem, é pela visão que o estômago tem o primeiro impacto da gula.O pessoal de apoio ao Stand, tal como acontece todos os anos, encontrava-se em amena cavaqueira uns com os outros, enquanto os potenciais interessados pelas ofertas, passavam desinteressadamente pelo stand.Comentei este pequeno promenor, com as pessoas que acompanhavam-me.Ainda mais estranho, tornou-se esta forma de estar, quando "Angola" está na moda, em Portugal.

Promenores à parte, vamos ao que interessa.

Nos eventos desta natureza, o pessoal que os frequenta, procura recolher as tais "brochuras, catálogos, imagens, promoções, etc," informativas sobre os países e respectivas ofertas.No stand de Angola este tipo de informação era escasso, direi mesmo inexesistente.Frustada e desapontada, recolhi o que havia disponível.No recanto do meu sossego, começo analisar as tão famosas brochuras e catálogos.A minha frustação no lugar de diminuir, aumenta ainda mais.E passo a citar as razões para o aumento da minha frustação .

Não consegui nenhuma brochura.Consegui um ÚNICO catálogo de uma agência de viagens " Expresso - Viagens e Turismo, S.A." sem apresentar nenhum cuidado na apresentação atractiva e aliciamento visual.O catálogo deve ter sido feito, no ano de mil e novecentos e troca o passo.Esta agência, segundo informação inclusa, diz operar em Angola desde 1966.Ao abrir o cátalogo, o meu espanto atingiu os limites do paranormal, o folheto dizia respeito a uma oferta na "TANZÂNIA" mais própriamente em Saadani no "National Park", completamente escrito em inglês, sem tradução para outras línguas.Impensável.Mas real.Fiz a respectiva pesquiza na internet, através do endereço constante no catálogo, e o paranormal aumentou.Só abria a págima inicial, onde constam os contactos.Podem comprovar através do endereço :

(clicar nas imagens para aumentar)

Petreficada, passei ao folhete seguinte, constante no interior da capa do catálogo.Um simples papelzinho de 20cm X 10 cm referente a outra Agência de Viagens e Turimo denominada por "MÃE MENA" em que as ofertas referentes a Angola são:Pedidos de vistos, Emissão de passaportes, Check-In/Out de passageiros, Serviços de Renta a Car, Reservas em Hóteis, Certificados de Vacinas, Bilhetes de Passagem(Nacional e Internacional) Marcação de Audiências e Entrevistas ( em instituições públicas e privadas).A única oferta que esta agência oferece em termos de viagens meramente turísticas, são destinadas à África do Sul, diz a agência que oferecem excelentes condições de estadia e saberão servir.A pesquiza através da internet, relativamente a esta agência não é possível, uma vez que não possui endereço.Uma agência direccionada para ao tratamento de documentação, e quase nada tem para oferecer turísticamente.Um favor pessoal, prestado a alguém com interesses na agência em Angola.

Repito tudo isto, num simples papelzinho de 20cm X 10 cm.(Conforme pode comprovar através da foto).


Foto 2



Continuei a minha aventura em busca das ofertas turísticas em Angola.E a próxima aventura, diz respeito a um desdobrável de fraca qualidade, e com imagens referente ao " Aldeamento Turístico Pasárgada" que fica a 64km de Luanda na província do Bengo.Inclui todos os contactos, incluindo endereço electrónico (e-mail), mas o acesso via internet, tal como todos os outros não é possível.


Foto 3





Perante estes factos, é de saudar a criação de guias turísticos em Angola.Mas apetece-me revoltadamente, dizer aos criadores desta ideia, que não basta apresentar como ofertas, as lindas praias de Angola, principalmente aquelas que ficam a mais de 50 km de Luanda, Hotéis e aluguer de automóveis, cujo os preços praticados são dos mais elevados do mundo.Cujo o sistema de transportes urbanos não funcionam devidamente, em que a oferta e a qualidade do transporte público, assemelha-se a uma capoeira.Onde a alternativa colocada ao "turista" para poder visitar a cidade, é no famoso candongueiro, muito típico e turístico.Em termos de oferta, ao nível da restauração, os serviços prestados pela maioria dos restaurantes colocados à beira da estrada e das praias, não reunem as mínimas condições de higiene , são autênticos atentados à saúde pública.Por outro lado, o número de camas disponíveis para a prática de um turismo económico e atractivo, simplesmente não existe.Não seria preferível, criarem primeiro as infra-estruturas necessárias, do que meterem-se na "Aventura" de oferecerem aos potenciais turistas uma oferta, tipo "Gato por Lebre".Não estão a tentar colocar a carroça à frente dos bois, contribuindo ainda mais para a descrebilização futura do turismo.Não haverá aqui, uma pontinha de aproveitamento e oportunismo.

Sejamos realistas, o turismo que um turista pode pensar encontrar actualmente em Angola, é um turismo semelhante ao das imagens propostas no Folheto Informativo (foto 4).Um turista não consegue, desfrutar dos prazeres oferecidos pelo MiamiBeach ou das lindas praias da ilha de Luanda, sem ter que desfrutar das lindas paisagens degradantes, oferecidas pelos pobres coitados que rodeiam e invadem as restantes praias ao longo da orla da ilha.A não ser, que reservem para o Turista uma viatura tipo Jeep Hummer de vidros fumados.
A mudança urgente dos símbolos da bandeira, uma das maiores imagens de marketing que um país pode ter.O símbolo da catana na bandeira, pode representar um elemento dissuasor para os potenciais turistas.É um símbolo dissonante.Substituam a catana pela "Palanca Negra".

Foto 4


Foram provávelmente este tipo de ofertas turísticas (foto 4) que condicionaram, a falta de empenho por parte dos responsáveis pelo turismo em Angola na BTL, e justificaram a sua postura desinteressada.

O turismo actualmente, é um grande sector gerador de riqueza, como tal não pode ser gerido por pessoas, que não possuem uma formação altamente qualificada.O turismo, deixou de ser um sector destinado à carolice de alguns.O turista é cada vez mais exigente, na escolha dos seus destinos.O turismo não é só praia.O turismo é muito mais abrangente.A relação oferta/preço/qualidade é muito competitiva.Não serão certamente as praias de Luanda que vão seduzir o mercado turístico.O Brasil comparativamente com Angola, tem a mesma qualidade ao nível das praias, com empreendimentos turísticos com qualidade e preços muito mais atractivos.

Como complemento do Folheto Informativo Turístico de Angola - Luanda sugiro a visualização dos vídeos colocados no seguinte endereço

http://angola-africa.zip.net/
http://carlacarinhas.sites.uol.com.br/angola/video_luanda.html

2 comentários:

Sonia disse...

Onde se pode encontrar esse catálogo?

ÁfricaMinha disse...

Olá Sonia

Procure saber nestes endereços:

http://luandabynight.blogspot.com

http://www.filmecouture.com/luandacityguide/geografia.html

Espero ter ajudado

Kandando