terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Angola: Crise obriga a "reajustamento" no Orçamento mas não afecta reconstrução - José Eduardo dos Santos

Luanda - O Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, anunciou hoje em Luanda que a descida dos preços do petróleo e dos diamantes obrigam a reajustamentos no Orçamento de Estado e no Plano Nacional para 2009, mas não vão afectar a reconstrução nacional.

Apesar da crise financeira global, o Governo angolano vai empenhar-se em manter a estabilidade política e macroeconómica e continuará a realizar investimentos públicos significativos na reabilitação e construção de infra-estruturas, garantiu José Eduardo dos Santos, na sua tradicional mensagem de fim-de-ano à Nação, transmitida em simultâneo nos órgãos públicos de comunicação social angolanos.

"No nosso caso, o preço do petróleo e dos diamantes tem estado a descer muito, exigindo do nosso Governo acções que visem o reajustamento do Orçamento Geral do Estado e de algumas metas do Plano Nacional para 2009", salientou Eduardo dos Santos.

Segundo o estadista angolano, "esse ajustamento, não vai modificar a estratégia nem os objectivos estabelecidos no domínio económico e social".

Nessa perspectiva, José Eduardo dos Santos disse que o executivo angolano vai criar empregos e condições para o crescimento da produção, na base do aproveitamento racional dos recursos naturais, respeitando o equilíbrio entre a economia e a ecologia.

"O Governo vai estimular e incentivar o investimento privado na produção, para aumentar a oferta de bens e serviços, e vai também desenvolver uma política adequada de investigação científica, de formação e gestão dos recursos humanos", frisou.

"Apesar das consequências que Angola possa sofrer por causa da crise económica mundial, pretendemos manter o nosso modelo de desenvolvimento sustentável e a tendência de forte crescimento económico, com a geração de empregos e a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos e das famílias angolanas", declarou José Eduardo dos Santos.

Segundo o Presidente angolano as conquistas já obtidas por Angola na reconstrução do país são "expressivas" e serão ainda "maiores" nos anos que se seguem, se os angolanos forem capazes de reconstruir também as mentalidades.

"A hora de começarmos a construir uma nova mentalidade é esta", alertou Dos Santos.

Relativamente ao ano de 2008 José Eduardo dos Santos elogiou a participação "maciça e exemplar" dos cidadãos nas eleições legislativas de cinco de Setembro, referindo que agora existe a certeza de que a grande maioria dos angolanos apoia "sem reservas" a política de reconstrução nacional e de desenvolvimento em curso.

"Para a completa normalização da vida política nacional falta-nos agora aprovar a nova Constituição da República e realizar as eleições presidenciais", afirmou.

Para Eduardo dos Santos, participação "consciente" do cidadão comum na vida nacional foi importante, desejando que seja complementada com a revalorização do seu lugar junto da família, do trabalho e da comunidade mais próxima, de modo a criar uma sociedade mais "justa e equilibrada".




Comentário: Era bom era.A crise ser mundial e um país como Angola, sem estruturas solidificadas, passar ao largo da "crise".Mentira tem perna curta.Esperemos pela passagem do tempo, para confirmar as palavras do presidente da nação através dos seus actos, uma vez que, ele anuncia públicamente que não vai modificar a estratégia.
A reconversão da mentalidade dos angolanos, passa primeiro pela mudança da mentalidade do Presidente da Nação e do partido político que ele representa.Deixarem de parte as mentiras que originam sonhos a muitos sonhadores.
Político, manda muito blá blá.
Político, é um vendedor de sonhos, experiente.O mundo está recheado deles.O Presidente Angolano, não é, nem nunca será uma excepção na venda dos sonhos ao seu povo.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Banca: BCP vende participação no BPI a empresária angolana Isabel dos Santos


Fonte: Lusa

Lusa - O Millennium BCP vendeu a posição de 9,69 por cento que detinha no BPI a uma sociedade da empresária angolana Isabel dos Santos, por cerca de 164 milhões de euros, anunciou hoje o banco liderado por Carlos Santos Ferreira.
A Santoro Financial Holdings, que pertence a Isabel dos Santos - filha do Chefe de Estado angolano José Eduardo dos Santos - pagou 1,88 euros por cada acção do BPI, o que representa um prémio de 47 cêntimos, ou 33,3 por cento, face ao valor do fecho de hoje das acções do banco liderado por Fernando Ulrich (1,41 euros).

Desta forma, Isabel dos Santos reforça a sua presença no sector bancário português, juntando a participação no BPI à posição de 25 por cento que controla no capital do Banco BIC (liderado por Mira Amaral, antigo ministro da Indústria dos governos de Cavaco Silva).

O investimento no BPI permitirá ainda à empresária angolana estreitar as relações com o banco liderado por Fernando Ulrich, que recentemente abriu o capital do Banco Fomento Angola (BFA) à operadora de telecomunicações Unitel (que tem Isabel dos Santos entre os seus accionistas de referência).

O BPI torna-se, assim, o segundo grande banco nacional a contar com investimentos angolanos no seu capital, a par do Millennium BCP, que tem como principal accionista a petrolífera angolana Sonangol (com cerca de 10 por cento do capital).

A operação está sujeita a não oposição do Banco de Portugal, nos termos do Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras, refere o comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).




Comentários: Acerca desta jovem - Isabel dos Santos e das suas fortunas pessoais eu já fiz demasiados comentários.Pena, que os angolanos e os portugueses estejam cegos à muitos anos, para permitirem estes negócios.Onde foi esta jovem arranjar tantos milhões-164 milhões.À custa do seu trabalho, suor e lágrimas não foi concerteza.Em outros locais, provavelmente chamariam a este tipo de negociatas "lavagem de capitais", cuja a proveniência pode ser duvidosa e em nome de terceiros.Quiçá de uma famosas família de Angola.De Santos, eles não têm nada.Santo, é o povo angolano e português que permitiram/em esta vergonha.

Os portugueses têm que fazer uma guerra, semelhante à que existiu em Angola pré-descolonização.Estão a ser escravizados e COLONIZADOS PELOS CAPITAIS PRIVADOS DA FAMÍLIA DOS SANTOS, idêntica (segundo os angolanos mplistas e portugueses socialistas de esquerda) ao que o Salazar terá feito em Angola e no restante ultramar português.Encetou uma colonização, permitindo-lhe encher os cofres portugueses com capitais africanos.Com uma diferença. Salazar encheu os cofres em benefício de um país, enquanto que a familia dos Santos está colonizar Portugal em seu benefício pessoal e particular.

Os culpados de tudo isto, são sempre os mesmos, os idealistas das revoluções e das guerras apoiantes da esquerda (PS- Mário Soares).Os tais, que em Angola e em Portugal se denominam por políticos de carreira.Foram eles que arquitectaram e fomentaram a vergonhosa descolonização e as guerras pós-independência.São eles, que actualmente fazem a mesma guerra do facilistismo aos investimentos (PS - Sócrates), jogando com os lobbies políticos, devido ao poder que a governação lhes confere, falando em nome de um povo.Mal sabe o povo, que tudo isto, não passam de jogadas e favorecimentos pessoais que provavelmente mais tarde trarão a quem participa e facilita este tipo de negociatas, a ocupação de um Alto cargo em alguma empresa angolana.Veja-se o exemplo de Mira Amaral (BIC) e de Jorge Coelho (Mota Engil).Como estes exemplos, existem centenas.Eles estão na política para retirar dela usufrutos pessoais, através dos cargos que ocupam durante os mandatos que o povo lhes confere.Não admira que a crise mundial esteja na banca rôta.A política deixou de ser um sacerdócio, para passar a ser um negócio com altos rendimentos.
Jogam entre eles na "bolsa", como se o povo fosse um peão ou uma carta fora do baralho.

Durão Barroso, é um bom exemplo de como os políticos podem usar um povo para jogarem na "Bolsa dos lobbies".

Durão Barroso, era um esquerdista(idealista).Virou à direita.Em nome de um povo foi eleito Primeiro Ministro.Na primeira oportunidade em que lhe ofereceram um alto cargo fora do país e do povo que o elegeu, não pensou duas vezes, abandonou o cargo o povo, e fugiu.Pensou primeiro nele, nos rendimentos que o cargo permitiam usufruir e outras regalias,e no curriculum que esse cargo traria para ele.Borrifou para o voto do povo.

A sua fuga, originou uma crise de governação no país, ao qual o Presidente da República de então, deu uma mãozinha ao PS.

PS, que se encontrava também ele numa crise, possível envolvimento de alguns dos seus militantes em escândalos de pedofilia que prontamente foram feitos emigrantes à força em países da Europa.Resolvida a crise e criadas as condições no PS que lhe permitissem assumir o poder, o Presidente da República (socialista,) entra em acçaõ, e retira o tapete a Santana Lopes (substituto de Durão Barroso).Cai o governo, antes de terminar o mandato popular.

Lá (Angola), como cá (Portugal) metem nojo.

É melhor calar-me, antes que a PIDE dos tempos modernos, bata à minha porta.

Eu sou pobre.Não sou rica, para poder pagar cauções chorudas ao Estado, permitindo-lhe encher os cofres vazios.Porque os políticos esvaziaram-nos com o facilistismo em isenções, permitidas aos grandes lobbies (empresas e fortunas pessoais) estrangeiros que investem em Portugal.

domingo, 7 de dezembro de 2008

Angola proíbe documentário sobre a intervenção cubana em África

Fonte: Jornal Digital


LuandaO governo angolano proibiu a exibição do documentário «Cuba, uma Odisseia Africana», realizado pela francesa Jihan El Tahri, sobre a presença cubana em África e a sua intervenção militar, nomeadamente em Angola.

O documentário foi realizado em 2007 e revela África, um dos seus cenários mais desconhecidos, como um dos principais palcos da Guerra Fria. Entre 1961 e 1989 as nações africanas que tinham alcançado a independência, ou que lutavam ainda por ela, tiveram que enfrentar não apenas as antigas potências coloniais mas também as aspirações hegemónicas das duas potências, União Soviética e Estados Unidos, sobre o continente africano. Os soviéticos queriam prolongar sua influência a um novo continente, os Estados Unidos aspiravam a apropriar-se das riquezas naturais de África, os países colonizadores sentiam escapar o seu potencial colonizador e as nações recém-criadas pretendiam defendiam a sua independência.

Através de alianças internacionais os países africanos tentaram manter-se aquém desta disputa e garantir a sua independência protagonizando uma luta contra o capitalismo, o socialismo e o colonialismo. A ajuda dada por Cuba a revolucionários como Patrice Lumumba, Amílcar Cabral e Agostinho Neto foi importante uma vez que o país teve um papel de liderança na tentativa das nações africanas de controlar os seus próprios destinos. O documentário aborda a Guerra Fria e os seus conflitos focando o envolvimento de Che Guevara no Congo ou a batalha do Cuito Cuanavale em Angola, mostrando como a Cuba de Fidel Castro teve um papel crucial, embora pouco conhecido, na nova estratégia ofensiva das nações do Terceiro Mundo.

São feitas algumas revelações que vão contra o que é do conhecimento do público em geral sendo talvez essas revelações a causa de alguns acontecimentos menos democráticos. Segundo o documentário, o número exacto de soldados cubanos em território angolano era superior ao que é actualmente conhecido, mostra que foram os cubanos que estiveram nas frentes estratégicas da batalha do Cuito Cuanaval e que as tropas angolanas inicialmente sofreram derrotas nesta batalha. Talvez por causa destas revelações, um professor da Universidade Lusíada, e também comentador político, mostrou o documentário «Cuba, uma Odisseia Africana» e, além de ter sido chamado à atenção, pelos Serviço de Inteligência Militar, deixou de fazer comentários quer na Televisão Pública de Angola (TPA) quer na emissora estatal angolana (RNA). O semanário «Novo Jornal» classificou como «censurado» o filme que está a gerar polémica.




Comentário:O único comentário que apetece fazer, é dizer aos senhores encarregues pela " censura angolana", que: Quem não deve.Não teme.

Angola, continua a ser governada por uma democracia e liberdade de expressão, puramente e exclusivamente de FACHADA.
A verdadeira história de Angola, só será construída e conhecida quando as pessoas que têm este tipo de comportamentos, desaparecerem da face da terra.

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Fidel Castro saqueou Angola e torturou angolanos

Fonte:Club-k

Brasil - Militante de esquerda, simpatizante do PC do B, o escritor angolano Nelson Pestana foi preso político em Angola. Ele conta que a tortura era feita pelo Exército cubano. Segundo ele, Fidel dilapidou o patrimônio de Angola, roubando até fábricas que eram levadas para Cuba. O exército cubano chegou a estuprar mulheres


DEPOIMENTO DE NELSON PESTANA, ESCRITOR ANGOLANO DE ESQUERDA

O papel de Cuba em Angola, do meu ponto de vista foi um papel de potência de segundo grau e de colonização. Os cubanos representaram um mercenarismo de Estado. Da mesma maneira que houve a intervenção de outros exércitos, como o sul-africano e o zairense, por parte dos outros movimentos de libertação, Cuba interveio para apoiar o MPLA. E interveio como força expedicionária que se apropriou da riqueza nacional, inclusive porque os cubanos, a uma determinada altura, mandavam no país. Os angolanos eram marionetes nas mãos dos cubanos. O poder angolano de Agostinho Neto dependia da força expedicionária cubana. Tanto é assim que, quando houve uma cisão dentro do MPLA e há um golpe de Estado em 27 de maio de 1977, esse golpe é controlado pelos cubanos, que estão do lado de Neto. São os cubanos que reprimem a tentativa de golpe de estado dessa corrente do MPLA, que era comandada por Nito Alves e que tinha o apoio da União Soviética. Os cubanos tinham interesses próprios, como potência regional de segunda ordem, e, nesse caso, ficaram em lado oposto aos soviéticos.

A intervenção em Angola trazia um desafogo para a própria economia cubana. O internacionalismo é discurso de propaganda. Os cubanos eram pagos e bem pagos, inclusive os soldados, não era só o pessoal civil que era pago. Lembra-me que, numa determinada altura, cada soldado cubano custava mil dólares para Angola, por mês. Era uma fatura muito elevada. O internacionalismo era apenas um discurso de legitimação. Essas quantias em dólares pagas aos cubanos deram um desafogo à economia de Cuba, que estava extremamente estrangulada na altura em que eles fizeram a intervenção em Angola. Daí os interesses diferentes de cubanos e soviéticos. Cuba apoiou Neto porque ele dava maior garantia aos cubanos de permanência no país. Cuba chegou a ter 60 mil pessoas em Angola, entre soldados e civis. Não eram os angolanos que diziam: "Agora, precisamos de 20 médicos". Cuba que mandava 30 médicos. Angola tinha que os aceitar e lhes pagar os salários, além de comprar todo o material que era operado pelos cubanos. Inclusive, antes de Angola estruturar sua própria força repressiva, os cubanos é que torturavam diretamente os angolanos.

Os cubanos são idolatrados como internacionalistas, sei que na América Latina eles têm essa imagem, mas, pelo lado da população angolana, eles são vistos como força de intervenção. Eles tiveram as práticas de todas as forças de intervenção, como violação de mulheres, apropriação de fábricas completas. Os cubanos, normalmente, eram os primeiros que chegavam às cidades desertadas pelas forças sul-africanas e de outros movimentos de libertação. Então, os cubanos se apropriavam de tudo aquilo que lhes interessava. Conta-se, inclusive, uma anedota, que acho que tem a ver com a realidade, que, numa primeira viagem de Estado que Agostinho Neto fez a Cuba, ele levou vários ministros, entre eles o ministro da Justiça, que teve a surpresa de ver, em Havana, o carro que lhe tinha sido roubado em Havana. Muitos carros circulavam em Havana com a matrícula "MP", que significava "matrícula pedida". Eram carros roubados em Angola, levados para Cuba e, depois, matriculados com uma nova chapa cubana. Mas não foram só carros. Foram roubadas até fábricas. Eram desmontadas as fábricas, postas em barcos e levadas para Cuba, assim como clínicas e hospitais.

Os cubanos fizeram uma depredação histórica em Angola, não só porque arrancavam coisas para levar para Cuba, mas também porque quebraram monumentos, alegando que eram alusivos ao colono. E a depredação dos cubanos não foi só na retirada deles, mas assim que chegaram. Era uma depredação organizada. Por exemplo, em Cabinda, que é uma região de floresta, que tem madeiras preciosas, eles cortavam a madeira, punham nos barcos e levavam, simplesmente não pagavam impostos, não pagavam a madeira, não pagavam nada. Faziam uma exploração da madeira, por conta própria, sem qualquer autorização ou acordo entre Cuba e Angola. Os cubanos destruíram a produção de cana-de-açúcar em Angola. Os cubanos comandaram, durante muito tempo, a marinha mercante angolana, e fretavam barcos para servirem à sua própria marinha mercante. E nós pagávamos frete de barcos cubanos que serviam à sua marinha mercante.

Eles fizeram imensas coisas. Há coisas que já estão sendo mais ou menos relatadas por cubanos dissidentes. De qualquer maneira, os cubanos não saíram totalmente de Angola. Saíram as tropas. Muitos deles converteram-se em negociantes e continuam em Angola, com lojas de comércio externo, clínicas, entre outros negócios. Alguns deles são uma força de reserva do próprio regime, porque um general que vira comerciante é sempre general. Há bem pouco tempo, o presidente angolano José Eduardo dos Santos visitou Cuba para um novo incremento da colaboração militar com Cuba. Apesar dos pesares, não temos uma atitude revanchista em relação aos cubanos. Naquilo que eles forem interessantes para Angola, conversamos muito bem, pode haver colaboração com Cuba.

Deixe me dizer que conheci Cuba, em 1981, e o que mais me chocou em Cuba foi o racismo contra os negros, pior do que no Brasil, mas como é uma revolução socialista, fala-se muito de Guevara, esconde-se muito isso. A guerra em África, tanto em Angola como na Etiópia, serviu, também, um bocado à comunidade negra cubana para a sua afirmação, para a sua promoção social, porque não se viam generais negros no Exercito cubano. Passou a haver numa determinada altura, porque a intervenção em África fez com que o discurso de Fidel incidisse sobre a recuperação das raízes africanas cubanas e isso motivou certa promoção da comunidade negra cubana. Há muito tempo que não vou a Cuba, mas, em 1981, quando estive lá, havia um racismo declarado em Cuba, a ponto de um branco não dançar com uma negra. E de eu me interessar por uma mulher que, nas circunstâncias, era negra e ela perguntar-me se eu efetivamente gostava dela, porque achava que um indivíduo com a minha pigmentação não poderia se interessar, de maneira nenhuma, por uma mulher de pele escura. Porque em Cuba havia essa separação, a separação das raças. Eu tinha companheiros cubanos desportistas que não dançavam num baile com brancas, porque se fossem pedir para dançar, elas não aceitavam porque eles eram negros. É um racismo que se pode encontrar mesmo nos textos do José Martí, quando ele fala no nosso "irmão mais novo", o negro, numa atitude paternalista, que é, também, uma forma de racismo.

Costumo dizer aos meus amigos brasileiros, alguns com militância no PT, que Fidel Castro, moralmente, está uns pontos abaixo de Pinochet. Porque Pinochet era um ditador, mas, hoje, pôs a sua cadeira à disposição de um referendo. Fidel Castro, apesar de ter sido aconselhado a fazer o mesmo, até para renovar a sua legitimidade, nunca o fez e continua a manter uma ditadura das mais retrógradas. Mas eu costumo dizer aos meus amigos brasileiros que o nosso ditador é sempre mais simpático que o ditador do outro. O Pinochet era o ditador da direita e, por isso, é aquela besta que reprimiu a república, que matou Allende. Sabemos disso e tenho muito respeito por essa resistência, mas eu vi um resistente do Chile a ir buscar o Pinochet em Londres, para que ele não fosse julgado por Baltazar Garzón. E ele explicava que a democracia tinha sido negociada com esse ditador, que decidiu renunciar ao poder porque perdeu um referendo.

Não tenho simpatia nenhuma por nenhum tipo de ditador, mas, como homem de esquerda, embora de uma esquerda democrática, que não aceita nenhuma forma de coação sobre as liberdades individuais e coletivas, não posso me identificar com um ditador como Fidel Castro. Eu me identifico mais com aqueles a quem ele chama de vendilhões da pátria, que são esses movimentos da sociedade civil que apenas têm a fragilidade de seus corpos para opor ao regime brutal de Fidel Castro. E é um regime verdadeiramente brutal. Não é por acaso que alguns intelectuais de esquerda que até há pouco tempo o apoiavam cortaram relações com ele. O último caso foi o do escritor José Saramago, que escreveu aquela célebre carta aberta.

Conheci Cuba e não vi as grandes conquistas do socialismo que eles vendem. Mas, mesmo que houvesse essas grandes conquistas do socialismo, nada justifica a opressão sobre as pessoas. Não é por um prato de arroz que um ditador qualquer tem direito a impor uma ditadura como a de Fidel Castro. Por isso, acho que o PT teria muito a ganhar demarcando-se desse tipo de ditadura, a não ser que ele concorde com uma política de dois pesos e duas medidas: por um lado, o PT que fez um percurso de 20 anos de luta e chegou ao poder pela legitimidade do voto popular; por outro, o PT que apóia Fidel Castro, um dinossauro que não tem legitimidade nenhuma.

Fidel não aceita pôr o seu poder ao referendo da população cubana, porque acha que isso é invenção do ianque. Mas não é. Ele pode organizar as manifestações que quiser, com a população que quiser, para dizer que aqueles ativistas cívicos cubanos que lutam pela liberdade do país não representam ninguém. Mas Ceaucescu, na Romênia, também tinha eleições com 90 por cento de aprovação, mas, de um dia para o outro, caiu e nós depois vimos o que era efetivamente esse poder. No Iraque, Saddam ganhou as últimas eleições que fez com 100 por cento dos votos, mas hoje vemos que as manifestações no Iraque contra a potência ocupante mostram uma pluralidade de movimentos e não 100 por cento em favor do ditador que foi derrubado pela intervenção americana. Fidel não tem, com certeza, 100 por cento da população do seu lado. Mas bastava que houvesse um cubano que pensasse diferente do Fidel para que ele tivesse o direito de pensar diferente.

Voltando ao PT, eu acho que há uma corrente no partido que, efetivamente, não aceita a democracia como modelo a seguir, que se submeteu a ela, nas circunstâncias do Brasil, e que, por isso, poderá ser sempre um risco para a própria democracia brasileira. E eu, não sendo brasileiro, sendo angolano, digo isso com preocupação, porque é normalmente nesses modelos ditatoriais que os nossos ditadores se inspiram. E, por isso, o exemplo brasileiro, nesse capítulo, pode ser um mau exemplo para Angola. E, como tal, eu tenho que me bater para que a própria democracia brasileira se fortaleça e se desenvolva naquele caminho que todos nós desejamos.


Comentário: Este depoimento quase que dá para fazer uma anedota de humor negro verdadeiro

Agostinho Neto, lá no seu descansado reino do todo Poderoso dos Céus, envia uma carta a Fidel de Castro e a José Eduardo dos Santos, a perguntar-lhes quais sãos os remédios que tomam para o tratamento das suas doenças cancerígenas, pois tardam em morrer para largarem o poder a favor das forças populares do internacionalismo imperialista apergoado por Fidel nas Nações Unidas em 1975, aquando da sua invasão em Angola.Ele (Agostinho Neto) está farto de esperar por eles no seu todo poderoso Reino dos Céus, que foi obrigado à força pela Rússia a construir e a ocupar antes da sua verdadeira hora chegar.Foi com entusiasmo que Agostinho Neto, foi recebido no reino dos Céus enviado pela Rússia, ao qual os russos entregaram de mão beijada o poder ao jovem José Eduardo dos Santos, a quem deram toda a formação e lavagem cerebral política para assumir o poder largado pelo defundo.Inclusive, até uma mulher de origem russa lhe ofereceram, da qual nasceu uma filha criola (russa/angolana) que é detentora de fortunas incalculáveis, sustentadas muito provavelmente à custa das balas, mortes, mutilação de muitos dos angolanos.Nenhum angolano, atreve-se a contestar as origens destas fortunas, porque sabe de antemão que corre sérios riscos.

Nada melhor, que deixar anexado a este comentário um vídeo, com as palavras que o próprio Fidel de Castro, proferiu nas Nações Unidas, onde ele sem gaguejar enumera as riquezas de Angola.

Construa-se a história de Angola, na base da verdade dos factos e dados.Basta de hipocrísia.Basta de culparem o Savimbi e outros mentores pela guerra ao poder em Angola. Porque os verdadeiros culpados continuam vivos e impunes.Continuam nesse poder a enganar o povo, tentando trocar as voltas à verdadeira história dos acontecimentos da guerra em Angola.A guerra em Angola, começou devido aos problemas da divisão interna dentro do MPLA, que usaram outras estruturas para camuflarem a verdade pelo assalto e a ganância ao poder com a ajuda dos Cubanos, Russos e Chineses.Esses sim, é que são os verdadeiros culpados e neste momento são os maiores parceiros de Angola.Quando é que o povo angolano vai acordar do sonho vendido através da falsidade para o pesadelo da verdade.Quando é que o povo angolano vai conseguir ter maturidade suficiente para aceitar esta dura realidade.Quando ?!


terça-feira, 18 de novembro de 2008

E se Obama fosse africano?



Por Mia Couto


Os africanos rejubilaram com a vitória de Obama. Eu fui um deles. Depois de uma noite em claro, na irrealidade da penumbra da madrugada, as lágrimas corriam-me quando ele pronunciou o discurso de vencedor. Nesse momento, eu era também um vencedor. A mesma felicidade me atravessara quando Nelson Mandela foi libertado e o novo estadista sul-africano consolidava um caminho de dignificação de África.

Na noite de 5 de Novembro, o novo presidente norte-americano não era apenas um homem que falava. Era a sufocada voz da esperança que se reerguia, liberta, dentro de nós. Meu coração tinha votado, mesmo sem permissão: habituado a pedir pouco, eu festejava uma vitória sem dimensões. Ao sair à rua, a minha cidade se havia deslocado para Chicago, negros e brancos respirando comungando de uma mesma surpresa feliz. Porque a vitória de Obama não foi a de uma raça sobre outra: sem a participação massiva dos americanos
de todas as raças (incluindo a da maioria branca) os Estados Unidos da América não nos entregariam motivo para festejarmos.

Nos dias seguintes, fui colhendo as reacções eufóricas dos mais diversos recantos do nosso continente. Pessoas anónimas, cidadãos comuns querem testemunhar a sua felicidade. Ao mesmo tempo fui tomando nota, com algumas reservas, das mensagens solidárias de dirigentes africanos. Quase todos chamavam Obama de "nosso irmão". E pensei: estarão todos esses dirigentes sendo sinceros? Será Barack Obama familiar de tanta gente politicamente tão diversa? Tenho dúvidas. Na pressa de ver preconceitos somente nos outros, não somos capazes de ver os nossos próprios racismos e xenofobias. Na pressa de condenar o Ocidente, esquecemo-nos de aceitar as lições que nos chegam desse outro lado do mundo.

Foi então que me chegou às mãos um texto de um escritor camaronês, Patrice Nganang, intitulado: "E se Obama fosse camaronês?". As questões que o meu colega dos Camarões levantava sugeriram-me perguntas diversas, formuladas agora em redor da seguinte hipótese: e se Obama fosse africano e concorresse à presidência num país africano? São estas perguntas que gostaria de explorar neste texto.

E se Obama fosse africano e candidato a uma presidência africana?

1. Se Obama fosse africano, um seu concorrente (um qualquer George Bush das Áfricas) inventaria mudanças na Constituição para prolongar o seu mandato para além do previsto. E o nosso Obama teria que esperar mais uns anos para voltar a candidatar-se. A espera poderia ser longa, se tomarmos em conta a permanência de um mesmo presidente no poder em África. Uns 41 anos no Gabão, 39 na Líbia, 28 no Zimbabwe, 28 na Guiné Equatorial, 28 em Angola, 27 no Egipto, 26 nos Camarões. E por aí fora, perfazendo uma quinzena de presidentes que governam há mais de 20 anos consecutivos no continente. Mugabe terá 90 anos quando terminar o mandato para o qual se impôs acima do veredicto popular.

2. Se Obama fosse africano, o mais provável era que, sendo um candidato do partido da oposição, não teria espaço para fazer campanha. Far-Ihe-iam como, por exemplo, no Zimbabwe ou nos Camarões: seria agredido fisicamente, seria preso consecutivamente, ser-Ihe-ia retirado o passaporte. Os Bushs de África não toleram opositores, não toleram a democracia.

3. Se Obama fosse africano, não seria sequer elegível em grande parte dos países porque as elites no poder inventaram leis restritivas que fecham as portas da presidência a filhos de estrangeiros e a descendentes de imigrantes. O nacionalista zambiano Kenneth Kaunda está sendo questionado, no seu próprio país, como filho de malawianos. Convenientemente "descobriram" que o homem que conduziu a Zâmbia à independência e governou por mais de 25 anos era, afinal, filho de malawianos e durante todo esse tempo tinha governado 'ilegalmente". Preso por alegadas intenções golpistas, o nosso Kenneth Kaunda (que dá nome a uma das mais nobres avenidas de Maputo) será interdito de fazer política e assim, o regime vigente, se verá livre de um opositor.

4. Sejamos claros: Obama é negro nos Estados Unidos. Em África ele é mulato.
Se Obama fosse africano, veria a sua raça atirada contra o seu próprio rosto.
Não que a cor da pele fosse importante para os povos que esperam ver nos seus líderes competência e trabalho sério. Mas as elites predadoras fariam campanha contra alguém que designariam por um "não autêntico africano". O mesmo irmão negro que hoje é saudado como novo Presidente americano seria vilipendiado em casa como sendo representante dos "outros", dos de outra raça, de outra bandeira (ou de nenhuma bandeira?).

5. Se fosse africano, o nosso "irmão" teria que dar muita explicação aos moralistas de serviço quando pensasse em incluir no discurso de agradecimento o apoio que recebeu doshomossexuais. Pecado mortal para os advogados da chamada "pureza africana". Para estes moralistas tantas vezes no poder, tantas vezes com poder - a homossexualidade é um inaceitável vício mortal que é exterior a África e aos africanos.

6. Se ganhasse as eleições, Obama teria provavelmente que sentar-se à mesa de negociações e partilhar o poder com o derrotado, num processo negocial degradante que mostra que, em certos países africanos, o perdedor pode negociar aquilo que parece sagrado - a vontade do povo expressa nos votos. Nesta altura, estaria Barack Obama sentado numa mesa com um qualquer Bush em infinitas rondas negociais com mediadores africanos que nos ensinam que nos
devemos contentar com as migalhas dos processos eleitorais que não correm a favor dos
ditadores.

Inconclusivas conclusões

Fique claro: existem excepções neste quadro generalista. Sabemos todos de que excepções estamos falando e nós mesmos moçambicanos, fomos capazes de construir uma dessas condições à parte.

Fique igualmente claro: todos estes entraves a um Obama africano não seriam impostos pelo povo, mas pelos donos do poder, por elites que fazem da governação fonte de enriquecimento sem escrúpulos.

A verdade é que Obama não é africano. A verdade é que os africanos - as pessoas simples e os trabalhadores anónimos - festejaram com toda a alma a vitória americana de Obama. Mas não creio que os ditadores e corruptos de África tenham o direito de se fazerem convidados para esta festa.

Porque a alegria que milhões de africanos experimentaram no dia 5 de Novembro nascia de eles investirem em Obama exactamente o oposto daquilo que conheciam da sua experiência com os seus próprios dirigentes. Por muito que nos custe admitir, apenas uma minoria de estados africanos conhecem ou conheceram dirigentes preocupados com o bem público.

No mesmo dia em que Obama confirmava a condição de vencedor, os noticiários internacionais abarrotavam de notícias terríveis sobre África. No mesmo dia da vitória da maioria norte-americana, África continuava sendo derrotada por guerras, má gestão, ambição desmesurada de políticos gananciosos. Depois de terem morto a democracia, esses políticos estão matando a própria política. Resta a guerra, em alguns casos. Outros, a desistência e o cinismo.

Só há um modo verdadeiro de celebrar Obama nos países africanos: é lutar para que mais bandeiras de esperança possam nascer aqui, no nosso continente. É lutar para que Obamas africanos possam também vencer. E nós, africanos de todas as etnias e raças, vencermos com esses Obamas e celebrarmos em nossa casa aquilo que agora festejamos em casa alheia




Comentário:Estas perguntas devem ser respondidas, principalmente pelo africanos com a boca larga e apoiantes dos governantes ditadores/coruptos.Por aqueles africanos que conseguem em momentos eleitorais transformaros líderes ditadores em autênticos democratas.Onde os Estados Unidos, também tem a sua cota parte de responsabilidade.Veja-se o caso de Angola.José Eduardo dos Santos, em pouco tempo passou de um dos maiores ditadores (diabo) para um dos maiores democratas (Anjo) que inclusive poderia mudar o " rumo de toda a África " .A este tipo de viragens devido aos interesses económicos dos Estados Unidos e de outros países, com interesses em Angola e em África, chamamos, tal como Mia Couto refere, de PURO CINISMO.
Se a vitória de Obama, fôr como muitos andam por aí apergoar, como sendo a vitória dos negros. Obama, vai ter muito que trabalhar em África para alterar as mentalidades e para correr com os líderes corruptos africanos agarrados ao poder.Mesmo que esses líderes, tenham sido eleitos através do voto popular.Onde o povo inconscientemente é coagido a votar no(s) ditador(es).Pois, o povo conscientemente saberá, se assim o não o fizer, dará argumentos aos ditadores para iniciarem uma guerra, onde ele (povo) será a maior vítima.Portanto o povo Angolano votou conscientemente, a favor da sua segurança pessoal ao dar o seu voto ao MPLA representado pelo seu Presidente ditador, não dando margens nem a um (MPLA) nem a outro (JES) para terem motivos para iniciarem uma guerra de bastidores, perseguições e chacinas a famílias inteiras, a um povo, já por si massacrado devido aos interesses e à ganância particular dos líderes.
Mal por mal.Fica como está.Obama nada puderá fazer contra estes líderes africanos.A não ser, esperar que os ditadores e suas familias morram e desaparecendo da face da terra.

Se proventura algum mal, um dia vier acontecer a Obama, serão os próprios africanos a causar-lhe esse mal.Porque ele representa um incómodo para certos líderes e mentalidades xenófobas em África


Receio que Ghassist manche “o bom nome” do MPLA


Fonte: club-k


Luanda - Sectores do regime, com realce ao Comitê de especialidade dos aeronáuticos revelam apreensão face a marginalização de cerca de 40 trabalhadores da Ghassist que recentemente canalizaram as suas preocupações denunciando que a direcção daquela empresa teria ameaçado despedi-los por terem se envolvido na greve que ocorreu na primeira semana de Outubro.
Alguns desses trabalhadores que também residem em subúrbios, tem o nível de escolaridade baixa ostentam uma concepção de que tudo que tem haver com responsabilidades sobre os deveres da classe a que pertencem envolve o MPLA.


O Facto de figuras do MPLA como Maria Mambo Café fazerem parte da Administração da empresa, deixa os trabalhadores mentalizados que o incumprimento das suas reivindicações esteja ligado a ma vontade do partido no poder. Acentuaram-se comentários/alertas, em meios do regime denotando que medidas como a que a direcção da Ghassist impõe sobre os seus funcionários de base podem manchar o “bom nome” do MPLA.
Os mesmos sectores do regime mostram se indignados face ao clima de suspeição instalado, a semana passada na empresa. Em causa esta o surgimento de um artigo sobre a Ghassist publicado no portal do Club-k.net alertando que a empresa teria desobedecido o General Manuel H V “Kopelipa” ao não cumprir a solicitação feita no sentido de aquela direção poderia encontrar a melhor solução para os trabalhadores “rebeldes” que opõem aos baixos salários. Informações em posse dos sectores que citamos, observam que esta ser sentido uma espécie de “caça as bruxas” na Ghassist que se receia que venham afectar a imagem do MPLA. Rui Candove, ex assessor do PCA “Vinito” Gouveia de quem diz-se ter laços de parentescos, foi suspeito de ter sido a personalidade ou fonte que levou informações da empresa para fora (entenda-se portal do Club-K). Candove é jornalista de profissão com passagem pela Radio Lac e pela FM Sterio.
De acordo com observações internas, as pessoas andaram a imprimir o que saiu da “internet” mesmo dentro da empresa mostrando copia aos trabalhadores e a pessoas chegadas ao próprio PCA. Logo apos a saída/divulgação do artigo foram chamados alguns trabalhadores para responder sobre a situação das faltas que no entender do Direção dos Recursos Humanos pode dar em despedimento conforme aquele departamento interpreta a lei geral de trabalho.

Outra preocupação em meios do regime tem haver com a transparência de um empréstimo para compra de material vindo dos Estados Unidos através da Agencia Nacional de Investimento Privado (ANIP) acerca de dois anos atrás. O material nunca chegou ou nunca foi visto em Angola. Ary de Carvalho, o administrador financeiro da Ghassist e igualmente administrador da ANIP é alvo de suspeita de que terá influenciado o processo que uniu as duas empresas.
Ao que se constata, o atraso do material tem impossibilitado a execução de tarefas sobretudo na existência de varias descargas em simultâneo. As matérias em referencia são escadas , tapetes, autocarros loaders, air starter e geradores, razão pela qual os atrasos dos aviões estão relacionados sempre com estas dificuldades. Por exemplo se chegam quatro aviões em simultâneo a Ghassit tem dificuldades em assistir porque terá de esperar as escadas e trocar os “loaders” para carregamento de bagagem.

A Ghassist é a única empresa de handling a operar no aeroporto internacional “4 de Fevereiro” garantindo assistência de carga, correio, bagagem, serviços de rampa, serviço de limpeza de aeronave e load control (despacho operacional, documentação de trafego e emissão de folha de carga e de balanceamento). A Ghassist tem cerca de 600 trabalhadores dentre os quais 300 filiados.

Trata-se de uma empresa com caracter privado envolvendo três accionistas nomeadamente a MACGRA, ENANA e TAAG. O PCA “Vinito” Gouveia é muito próximo ao General Kopelipa. Parte da direção são figuras ligadas a famílias do poder político. A Presidente da Mesa de Assembléia é a economista Maria Mambo Café, uma figura respeitada do MPLA ao que suporta a conotações segundo a qual a empresa esteja ligada ao grupo de subdiciaria pertença ao sector econômico do MPLA.



Comentário: O povo angolano gosta de ser enganado.Se anteriormente já tinham conhecimento destas trafulhices e jogos entre as empresas e o poder, porque razão não usaram a arma do voto, para penalizar e contestar vivamente, este e outros tipos de jogos.Provavelmente, porque o povo receando as represálias maciças e respectivas consequências (perseguições e chacinas 27 de Maio) por parte do MPLA, preferiu optar por ser brando e bajulador ao partido até então no poder, dando-lhe a continuidade para continuar a impôr e a aplicar as regras e filosofias de um partido a todo o povo angolano, inclusive é imposto aos angolanos o juramento sobre uma bandeira que se diz ser representante de uma nação e é pertença de um partido autoritário e anti-democrático - MPLA.Não vão a bem, vão a mal.Enquanto o mal, vai trabalhando e enriquecendo os bolsos de alguns, o bem continua igual ao que era antes.Um pobre desgraçado.
Se fosse eu a mandar em Angola, adoptava as medidas que estão a ser aplicadas na reconstrução das infra-estruturas do país.Mandava acabar com TODOS OS PARTIDOS POLÍTICOS EM ANGOLA DA VELHA GERAÇÃO.Mandava destruir e queimar tudo que esses pseudos partidos ergueram, dando lugar a novas mentalidades.Um novo oxigénio.Uma nova e verdadeira Angola.

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

China: Embaixada angolana em Pequim já emitiu 40.000 vistos este ano


Fonte:Lusa

Pequim, (Lusa) - A embaixada de Angola na China já emitiu este ano cerca de 40.000 vistos, confirmando o aumento das relações entre os dois países, afirmou hoje o embaixador João Manuel Bernardo. Numa conferência de imprensa para assinalar o 33º aniversario da independência de Angola, que se comemora terça-feira, o embaixador angolano em Pequim disse que "há muitos chineses a trabalhar na reconstrução nacional" do seu pais, nomeadamente na "reabilitação de estradas e escolas", mas não precisou quantos.




"A cooperação com Angola está num nível muito bom (…) Há chineses em todas as 18 províncias de Angola, mas não sei exactamente quantos", disse. Dos vistos já emitidos este ano em Pequim, referiu, 5.000 são de trabalho e os restantes de curta duração. João Bernardo, acreditado em Pequim há seis anos, manifestou-se "muito satisfeito" com a presença chinesa em Angola e disse que a cooperação bilateral "irá aumentar". "Temos de construir um milhão de habitações e um milhão de empregos.


É um grande projecto, um grande desafio, e precisamos da ajuda dos países amigos", salientou o diplomata.Segundo adiantou, nos primeiros nove meses deste ano, o valor do comércio bilateral já ultrapassou os 14 mil milhões de dólares (cerca de 11,2 mil milhões de euros), dos quais mais de 80por cento dizem respeito ao petróleo angolano importado pela China.Nos últimos quatro anos, Angola tornou-se um dos maiores fornecedores de petróleo da China e o montante dos créditos chineses concedidos àquele país africano atingiu os 4,5 mil milhões de dólares (3,6 mil milhões de euros). A independência de Angola foi proclamada a 11 de Novembro de 1975.


Comentário: Ai jesus, com tanto visto passado e tantos dólares a circularem a troco de petróleo e de obras públicas de qualidade duvidosa, fiquei com os olhos mais rasgados(em bico) que os próprios olhos dos chineses.

Dizem eles, que têm que construir um milhão de habitações e um milhão de empregos.As habitações devem ser, para os amigos e familiares dos detentores de cargos públicos ao seu serviço do país nos escalões de nível inferior.Os empregos devem ser para os chineses.Pois segundo, as más línguas, andam por aí a comentar à boca cheia, que a invasão dos quadros pseudo-qualificados made in china deportados para Angola, são oriundos das cadeias chinesas.Isto é, cidadãos que tem contas a ajustar com a justiça chinesa, e que são uma má influência para o trabalhador angolano, por conseguinte nas obras de construção a cargo das empresas chinesas, só são admitidos trabalhadores made in China.Os angolanos ficam de fora.Onde é, que o embaixador de Angola na China vai desenrascar um milhão de empregos para os angolanos na cooperação com a China.

Com tantos números e cifrões, cheira a propaganda do embaixador angolano na China.Cheira a mais um, angolagate económico.Os chineses, estão a vender aos angolanos "gato por lebre".Compram o petróleo e outros minerais não menos importantes, ao preço da uva michona, em troca vendem 40.000 vistos de qualidade duvidosa, para serem aplicados em obras de reconstrução igualmente duvidosas.É certo e sabido, que a qualidade dos produtos chineses são de má qualidade e de pouca durabilidade (prazo mínimo umas horas, e o máximo seis meses).

A pergunta que se coloca, é: Quem vai pagar a factura de tudo isto no futuro ?

O mesmo de sempre.O massacrado povo angolano.Pois, nem o próprio embaixador de Angola na China, sabe dizer o número exacto de chineses em Angola.

Ai jesus, onde é que isto vai parar ?


sábado, 8 de novembro de 2008

RD do Congo: Conflito pode tornar-se numa guerra regional


Fonte: JN

Rebeldes dizem que militares de Angola estão a combater na região

A crise humanitária e a continuação dos confrontos militares na República Democrática do Congo justificam, segundo analistas angolanos ouvidos pela Lusa, uma intervenção "forte" de Luanda para apoiar Joseph Kabila.
Os confrontos entre a milícia Mai-Mai, aliada do Governo congolês, e os rebeldes tutsis do Congresso Nacional para a Defesa do Povo (CNDP). liderados pelo general Laurent Nkunda, continuaram ontem em Rutshuru, na província congolesa de Kivu Norte.
As hostilidades no leste do país voltaram ontem em grande força, tendo inclusive no meio dos confrontos os funcionários da ONU que chegaram à região com o primeiro comboio de ajuda humanitária para os 250 mil deslocados concentrados na zona de Kiwanja.
Soldados uruguaios e indianos dos capacetes azuis da Missão das Nações Unidas na República Democrática do Congo (MONUC) tiveram ontem de usar a força para resgatar 12 membros da missão humanitária que estava na área de Kiwanja, a dois quilómetros de Rutshuru, tomada pelos rebeldes tutsis em 26 de Outubro.
O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) confirmou entretanto que três campos de refugiados, perto de Rutshuru, tinham sido destruídos, causando a fuga de mais de 50 mil pessoas.
Os rebeldes da CNDP denunciaram a presença de soldados zimbabuanos e angolanos na província de Kivu Norte, o que a ser verdade ameaça transformar este conflito numa guerra regional. Além disso, o chefe do contingente militar uruguaio da ONU em Kivu Norte, general Jorge Rosales, afirmou que os seus soldados foram atacados por tanques ruandeses, o que sustenta a acusação de que Ruanda apoia os rebeldes.
Sobre as acusações a Angola, alguns analistas angolanos disseram à Lusa que essa situação é "incontornável". Graça Campos, director do "Semanário Angolense", diz que Luanda só aguarda pelo "apoio formal" da comunidade internacional para enviar militares em apoio de Joseph Kabila.
Por seu lado, Nelson Pestana "Bonavena", professor universitário, lembra que "Angola é parte integrante da solução do conflito na RDC ongo" frisando que Luanda "faz parte do sistema de sustentação de governação" daquele país.
"Angola é um aliado natural e forte de Kabila, pois tem participado em todos os processos de pacificação, na procura de entendimentos, e, obrigatoriamente, tem de participar nesse processo",
afirmou Nelson Pestana.



Comentário:Quem paga tudo isto ?

O mesmo de sempre.O povo.

Tudo o resto, é balelas e cozinhados entre estadistas de preferência com carácter de ditadores, cujos os interesses do povo, estão colocados no final das listas das suas prioridades.

Convoquem o recém eleito, Obama, para resolver este problema.

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Ensino em Angola


(Foto Sérgio Afonso)

Acompanhar esta foto, vem o seguinte comentário do autor:

Professoras do ensino primário da Vila do Quipungo. Como as escolas são poucas, esta minúscula igreja, serviu para dar lugar a três salas de aulas. Mesmo assim, muitos têm que assistir as aulas debaixo da sombra de uma arvore.
(As imagens e o referido comentário do autor, falam por si)

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Angola: Sindicalistas presos durante greve de professores

Fonte:Esquerda.net

Cinco dirigentes sindicais foram presos na segunda-feira durante uma greve de professores na província angolana do Bengo. A porta-voz do SINPROF denuncia que "há perseguição aos colegas que estão a fazer piquetes" e afirmou a continuidade desta greve contra os baixos salários e falta de diálogo da direcção provincial da Educação.

"Mal estamos a formar a terceira República (designação oficiosa para o actual período pós as segundas eleições em Angola) já estamos com pressões e perseguições, o que indicia que nada mudou", acrescentou Hermínia do Nascimento, citada pelo site Notícias Lusófonas.

"A razão tem que vencer. Há razões mais do que suficientes para se fazer essa greve, aliás ainda não decretamos a segunda fase da greve nacional porque registamos que em algumas províncias ainda há algum diálogo e acreditamos que as coisas se vão resolver", salientou Hermínia do Nascimento, acrescentando que a greve de professores no Bengo prosseguirá "até que as partes sejam chamadas para negociar".

"Com estas detenções não há outra solução. Se há uma paralisação legal, as pessoas deviam sentar-se e reflectir. Só se chegou à paralisação porque não houve boa vontade por parte da direcção provincial da Educação para se resolver este problema", frisou a dirigente sindical.

A Frente para a Democracia também reagiu à detenção dos sindicalistas e vê "com apreensão que este acto gratuito de violência e de desrespeito pelos direitos humanos e pelos princípios mais elementares do Estado democrático de direito enquadra-se na estratégia da restauração autoritária reiniciada pelo Governo após a usurpação da maioria qualificada nas eleições de 5 de Setembro". A FPD diz que esta acção do Estado angolano "já se abateu sobre populares na Lunda-Norte saldando-se em 1 a 5 mortos e mais de uma centena de detidos e na detenção de aproximadamente cinco autoridades tradicionais da Lunda-Sul".



Comentário:Vai continuar tudo na mesma.A nova pseudo-democracia do MPLA, é de FACHADA.
Isto é, mudam-se os termos e as pessoas, mas a qualidade do lixo de quem o manda fabricar é a mesma - MPLA.Perseguições, autoritarismo, prepotência, violação dos direitos humanos, corrupção e compadrio, entre, e, nas altas esferas nacionais e internacionais, etc,.

Democracia em Angola?!

Só, para quem acredita em miragens, ou para os bajuladores que andam a comer do mesmo prato do MPLA e da família JES.Comem e assistem por conveniência económica e política.Convêm-lhes internacionalmente vender o lixo de má qualidade, como se de boa qualidade se tratasse.Conseguem transformar a Ditadura em Democracia.

Malembe!!! Malembe !!!

Aguenta POVO, a opção foi tua !!! Vinte 27 anos de guerra não foram suficientes para tu aprenderes.Terás que aguentar mais 4 anos, caso não emendes os teus erros.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

PORTUGUESES PROCURAM INVESTIDORES EM ANGOLA

Fonte: o apostolado


Representantes de dez empresas portuguesas encontram-se em Angola, em visita de exploração de áreas de negócios

A missão empresarial portuguesa deve permanecer em Angola até ao próximo dia 24 de Outubro, próxima sexta-feira, com o intuito de cativar mais investimento angolano para as empresas portuguesas.

A comitiva portuguesa é composta por personalidades que representam empresas de diversos sectores de actividade, nomeadamente, comércio de peças e acessórios para veículos automóveis, comércio de mobiliário de escritório, carpintaria, consultoria e programação informática, comércio por grosso de ferragens, ferramentas manuais e artigos para canalizações e aquecimento, energia, serviços em gestão da qualidade, actividades de embalagem e metalomecânica.

Promovida pelo Conselho Empresarial do Centro (CEC) e pela Câmara de Comércio e Indústria do Centro (CCIC), a iniciativa inscreve-se no Projecto “Centro Internacional”, financiado pelo Quadro de Referência Estratégico Nacional, Programa Operacional Regional do Centro, Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME, na modalidade de projectos conjuntos, refere um comunicado de imprensa.

António Almeida Henriques, presidente do CEC, explica, em comunicado, que “há em Angola grandes empresas com vontade e capacidade de investimento externo e o mercado português é um dos mercados naturais desse investimento angolano. Por isso vamos levar uma missão de empresários do Centro a Angola, não só para avaliarem as possibilidades de investimento em Angola, mas também para tentarem captar parceiros para os projectos de desenvolvimento das suas empresas”.

O também vice-presidente da Câmara de Comércio e Indústria do Centro (CCIC) e chefia a missão, recorda a actual conjuntura internacional, de grandes restrições ao crédito, para enquadrar esta iniciativa do CEC: “Há muitas empresas nossas associadas que estão disponíveis para abrir o seu capital a parceiros externos, como forma financiarem a sua expansão, quer interna, quer externa. Existe, assim, uma consonância de interesses e objectivos que vamos tentar operacionalizar”.


Comentário:É melhor mesmo os empresários e as empresas portuguesas rumarem com destino a Angola.Porque o puto "Portugal" está a bater no fundo do poço, embora os políticos queiram fazer crer o contrário.

Com esta procura por parte das empresas portuguesas em Angola, levanta-se uma questão.Vão canalizar e aplicar o investimento em Angola, e que medidas é que estas empresas vão tomar no puto (Portugal) para criarem postos de trabalho aos milhares de portugueses que deambulam pelas ruas e centros comerciais do Portugal dos pequeninos, consequência da má gestão económica, e da inoperância da indústria tuga, para a criação de postos de trabalho.

Sim, porque o investimento em Angola, ocasionará a abertura de postos de trabalho, para os cidadãos angolanos.Ou será, que estas empresas e respectivos empresários vão criar uma linha especial de emigração para portugueses com destino a Angola, tal como aconteceu no tempo do Salazarismo.Ajudando desta forma a resolver a GRANDE CRISE DE DESEMPREGO QUE EXISTE NO PAÍS DE ORIGEM DESTES EMPRESÁRIOS E RESPECTIVAS EMPRESAS.

Corre por aí, à boca cheia a comparação e a semelhança entre as políticas de Sócrates e de Salazar.

Corre também por aí, que já são milhares os portugueses a rumarem com destino a Angola.Alguém é capaz de adivinhar as razões desta desenfreada romaria (procura) ?

Não vale, culparem a crise dos Estados Unidos...Porque esta procura, começou acontecer muito antes dessa crise.

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

JORNALISTA SÉNIOR CASTIGADO POR COMENTÁRIOS DA ÚLTIMA NOMEAÇÃO DE GOVERNANTES


Fonte: o apostolado

A direcção da Rádio Nacional de Angola (RNA) cancelou o contrato com o seu principal analista político, o jornalista sénior Victor Silva, por alegada «fuga à linha editorial».

De concreto, explicou o jornalista ao Apostolado hoje, a emissora pública discordou com a sua abordagem da nomeação dos governadores de província e vice-ministros, cujos decretos foram publicados pela Presidência da República na sexta-feira,10 de Outubro em curso.

Em resposta à pergunta do jornalista Amílcar Xavier, da RNA, Victor Silva teceu considerações gerais, além de especificar as suas impressões à volta de quatro nomeados: - Valentina Filipe, Abraão Gourgel, Amaro Tati e Syanga Abílio.

A primeira ficou vice-ministra das finanças, situação que surpreendeu tendo em conta o destaque da sua figura no controverso saldo da dívida interna.

O segundo manteve-se como vice-ministro da indústria, facto que admirou, também, o jornalista, perante as suspeitas lançadas sobre a gestão das verbas para a reconstrução da província de Uige, que Gourgel coordenara.

Em relação a Tati, que passou de governador da província de Bié, onde o MPLA conseguiu uma retumbante vitória eleitoral sobre a UNITA, o jornalista considerou-a como uma despromoção.

Teve opinião análoga sobre a exoneração do engenheiro Syanga Abílio, do posto de administrador da poderosa Sonangol. e a sua nomeação para vice-ministro do Ambiente.

Para a direcção da RNA, lamentou o jornalista,
aparentemente, estas nomeações, por serem presidenciais, não podem sofrer qualquer discussão, porque o seu serviço público consiste somente em louvar tais decisões.

Victor Silva explicou que recebera, na manhã desta sexta-feira, a notificação formal da decisão da emissora pública.

Jornalistas Amílcar Xavier e Andeiro João

Em verdade, a medida foi revelada anteontem pela representação da Voz da América em Angola (VOA) em primeira-mão em termos, ainda, na altura, de rumores.

Na altura, a VOA anunciou que a RNA resolveu suspender, igualmente, toda a equipa que esteve em serviço naquela edição. Ou, seja: o jornalista Amílcar Xavier, que actuou na condição de entrevistador, e o editor do programa de opinião, Andeiro João.

Por enquanto, a direcção da RNA e os visados fecharam-se em copa, pelo que o esforço continua a ser envidado para obterem as suas reacções. O Apostolado levará de imediato estas reacções ao conhecimento dos seu leitores mal as conseguir.

Contextualizando a ocorrência, VOA frisou que Victor Silva, também director do Novo Jornal, destacou-se nos últimos meses como comentador da RNA para os assuntos da política doméstica.
Os seus comentários centralizaram-se por conseguinte sobre o processo eleitoral que culminou com a vitória qualificada do MPLA nas legislativas de 5 de Setembro.

Retrospectiva

É pela segunda vez em menos de três anos que o ministro da Comunicação Social, suspende a participação de um colaborador nos programas da RNA, recordou, ainda, a retrospectiva dos antecedentes.

A primeira recaiu sobre o comentador desportivo, Zeca Martins, depois que questionou a suspensão do Gira Bola por causa das festividades referentes ao aniversário do Presidente da República.

Em relação aos quadros internos, o principal pivot da TPA, Ernesto Bartolomeu também foi «agraciado» com uma suspensão de seis meses por ter denunciado, durante uma acção formativa, que havia censura institucional na TPA.

À Ecclesia, ontem, Bartolomeu sublinhou a vontade de retomar o trabalho dentro em breve.

Mau augúrio

«É de mau augúrio para a nova legislatura este tipo de medida», reagiu o jornalista Siona Casimiro, de Repórteres Sem Fronteiras (RSF), abordado pelo Apostolado.

Acrescentou que «as forças vivas da Nação, convém condenem esta decisão com veemência. Senão, os burocratas do regime vão convencer-se cada vez mais que chegou a hora, com a confortável vitória do MPLA, restaurar as práticas do partido único.»

«Comentar os actos presidenciais a jusante ou a montante faz parte, sim, da vertente analítica da missão do jornalista», rematou.


Comentário: Pegando em considerações como: «Comentar os actos presidenciais a jusante ou a montante faz parte, sim, da vertente analítica da missão do jornalista». ou « estas nomeações, por serem presidenciais, não podem sofrer qualquer discussão, porque o seu serviço público consiste somente em louvar tais decisões».

Pouco ou quase nada haverá para comentar, uma vez que o marketing da democracia usada pelo MPLA como bandeira, encabeçado pelo Presidente da Nação, durante a pré-campanha e campanha eleitoral, não passou de uma FACHADA.De um isco lançado ao voto popular.A democracia em Angola, enquanto estiver entregue ao MPLA, será uma ditadura camuflada.Prática usadas pelos partidos únicos."Eu quero, posso e mando"

Quem se atrever a julgar, comentar, opor-se etc e tal, sofrerá as consequências.

A melhor atitude a tomar em situações semelhantes, será a da "bajulação" concordando com tudo e todos, e se necessário agradecer com vários "amen".

Eleições em Angola livres, justas e democráticas ?

Só em miragem, ou com golpes de manipulação de dados à mistura.

O tempo irá dar as suas respostas, quanto à mudança das mentalidades e de democracia do MPLA.É uma questão de tempo e de espera.

Malembe, malembe !!!


terça-feira, 14 de outubro de 2008

DETIDOS DO TUMULTO DO CUANGO NO DUNDO

Fonte: o apostolado

102 dos 120 elementos detidos pela Polícia Nacional depois dos tumultos entre civis e agentes da empresa privada de segurança, alfa 5 já se encontram no Dundo, capital da Lunda Norte.

De acordo com o correspondente da Ecclésia, os reclusos estão acomodados em condições difíceis na cadeia de Candueji.



A sociedade, acrescentou o correspondente, está assustada e procura uma informação oficial quanto ao processo judicial dos referidos elementos.

O dia do julgamento é uma incógnita bem como o teor exacto da acusação, salvo os rumores sobre a prática de garimpo ilegal a audição do primeiro elemento pela direcção investigação criminal.

Enquanto isto, o Partido de Renovação Social (PRS) chamou a imprensa esta manhã e voltou a as acusações de estar por trás da instigação contra a empresa Alfa 5.


Comentário: Ver vídeo em anexo




segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Angola: Grandes empresas “recheadas” de figuras influentes

Fonte.: macauhub

Luanda, AngolaAs principais empresas e grupos empresariais angolanos contam maioritariamente com a presença de accionistas que são também figuras influentes no país, como demonstra a recente entrada da Unitel no capital do Banco de Fomento Angola (BFA).
Isabel dos Santos, filha primogénita do presidente ango
lano, é hoje uma das mais importantes empresárias do país e conseguiu na semana passada alargar a sua carteira de investimentos ao maior banco de Angola, o Fomento, do grupo português BPI.

A operadora angolana Unitel, que tem como principal accionista o grupo Geni, do qual faz parte Isabel dos Santos, vai comprar por 338 milhões de euros uma participação de 49,9 por cento do capital social do Fomento, que lhe dá direito a entrar também na gestão do BFA, segundo anunciaram as duas partes.

A Unitel, que tem perto de 4 milhões de clientes em Angola, é ainda participada pela Portugal Telecom, que detém 25 por cento do capital.

Além de investidora nos sectores do imobiliário e do turismo, um pouco por todo o país, Isabel dos Santos é também accionista do Banco BIC, aquele que mais rapidamente tem crescido num sector que, de acordo com a consultora Delloite, “continua a dar provas de forte dinamismo, reforçando o seu peso na economia”.

O BIC instalou-se recentemente em Portugal, onde terá como uma das suas principais missões servir de banco de investimento para fortunas angolanas e tem planos de expandir-se ainda para a República Democrática do Congo e Namíbia, numa estratégia de “apoio à internacionalização das empresas angolanas e portuguesas”.

O parceiro de Isabel dos Santos no BIC é o homem mais rico de Portugal, Américo Amorim, dono da maior corticeira mundial e ambos estarão também ligados na maior empresa portuguesa, a Galp Energia, de acordo com alguns analistas.

A Amorim Energia, (titulada por uma entidade offshore, “Esperanza”), que tem mais de um terço do capital da Galp, é participada em 45 por cento pela Sonangol, estando os restantes 55 por cento repartidos por grupo Amorim, Caixa Galicia e duas entidades "offshore" anónimas, que se julga poderem estar ligadas à maior empresária angolana.

As posições dentro desta “holding” têm de manter-se até fim de 2010, determina acordo parassocial entre os accionistas da Amorim Energia. Recentemente, o presidente da petrolífera italiana ENI, que também detém um terço da Galp, admitia sair da empresa portuguesa, prometendo desenvolvimentos dentro de "três a cinco anos".

Mas o rol de figuras influentes com presença de destaque no mundo dos negócios angolano inclui também dirigentes políticos, ministros, antigos governantes e até alguns familiares destas influentes figuras.

De acordo com o Semanário Angolense, publicado em Luanda, o Banco Comercial de Angola tem entre os seus accionistas três antigos primeiros-ministros - Lopo do Nascimento, França Van Dunen e Marcolino Moco – entre outros governantes.

Higino Carneiro, ex-ministro das Obras Públicas, criou a Cabuta Organizações, presente na agricultura, agro-indústria, hotelaria, banca e seguros, de acordo com o Diário Económico, de Lisboa.

José Pedro Morais, ministro das Finanças, Pedro Neto e Kundi Paihama são os detentores da Finangest, que é concessionária das lotarias angolanas, além de investidora na área da Saúde, refere o site da empresa.

Também com investimentos na área da saúde está o grupo Gema, detentor de salas de cinema, supermercados e accionista da Coca-Cola Angola, que é presidido pelo ex-chefe da Casa Civil da Presidência da República, José Leitão.

O general João de Matos, ex-chefe de Estado-Maior-General das Forças Armadas Angolanas e a sua Genius, que conta também com o ex-governador do Banco Nacional de Angola Mário Pizarro como accionista, tem ganho importantes concessões diamantíferas, como a recente do Cafulo (Cuando Cubango) e tem vindo igualmente a diversificar o negócio para áreas como as telecomunicações, imobiliário ou na energia.

Armindo César & Filhos, Imporáfrica, Macon, Mello Xavier, Pecus, Prodoil, Sagripek, Somoil e Suninvest são outros nomes de referência no universo empresarial angolano.

No sul do país, destaca-se o grupo angolano Valentim Amões, cujo fundador e seu sucessor morreram num acidente de viação no início do ano.

Segundo a newsletter Africa Monitor, o grupo deverá em breve contar com um novo parceiro, na sequência de um processo de selecção a cargo da firma de consultoria internacional Ernest & Young.

Com um património avaliado em mil milhões de dólares, o grupo Amões está a despertar o interesse activo da elite empresarial angolana e em cima da mesa estará já uma proposta de 200 milhões de dólares em troca de 30 por cento do capital do grupo.


Comentário: Para quem tinha dúvidas, a saga da corrupção, dos assaltos às riquezas do país, e dos lobbies, vai continuar por parte da família dos Santos e do MPLA, com a agravante de ser legitiminada pelo voto popular.Não adianta, ao povo futuramente choramingar pelas migalhas, pois elas, provavelmente já estarão bem guardadas fora de Angola, em nomes particulares de alguns dos quais o povo elegeu.Cada um, tem o que merece e deve ser responsabilizado pelas suas opções e actos.

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Uganda quer proibir minissaias que "causam acidentes"


Fonte:África21

Ministro Nsaba Buturo diz que uso da minissaia deve ser classificado como uma "indecência" sujeita a penalização pela lei de Uganda.


Kampala - O ministro ugandense de Ética e Integridade, Nsaba Buturo, afirmou que as minissaias devem ser banidas do país porque mulheres que as usam distraem os motoristas e provocam acidentes de trânsito. Em uma entrevista coletiva na capital, Kampala, Buturo disse que "usar minissaia é como andar nu pela rua". "Você pode causar um acidente porque algumas pessoas daqui são psicologicamente fracas", disse o ministro.

Para ele, o uso da minissaia deve ser classificado como uma "indecência" sujeita a penalização pela lei de Uganda. Buturo alertou ainda para os perigos que enfrentam os motoristas que se distraem por causa das minissaias. "Se você encontra uma pessoa nua, você começa a se concentrar no corpo da pessoa, mas continua dirigindo", disse. "Hoje em dia é difícil distinguir a mãe da filha, elas estão todas peladas", afirmou o ministro.

Buturo acredita que o uso de roupas indecentes é apenas um dos muitos vícios da sociedade ugandense. "Roubo e desvio de recursos públicos, serviços abaixo do padrão, ganância, infidelidade, prostituição, homossexualismo e sectarismo", citou o ministro.

Mmali explica que no início deste ano, a Universidade Makerere, em Kampala, decidiu impor regras para os trajes femininos na instituição. A proibição da minissaia e das calças apertadas ainda não foi implementada, mas o assunto já parece dividir setores da sociedade.

O correspondente da BBC entrevistou mulheres no campus da universidade para saber a opinião delas sobre as posições do ministro Buturo. "Se uma mulher quer usar a minissaia, tudo bem. Se outra quer colocar uma saia mais longa, tudo bem também", disse uma estudante.

Outras, no entanto, são mais solidárias às idéias do ministro. "Acho que coisas mesquinhas não são boas. Estamos mantendo a dignidade da África como mulheres e temos de cobrir nosso corpo", disse uma estudante. As informações são da BBC.



Comentário:As opiniões dividem-se.No entanto, é legítimo também recomendar aos responsáveis ugandeses, encarregues de julgar a ética, pensarem na proibição do uso de calções ou da exibição do tronco nú na via pública, por parte dos homens.Pois, podem provocar acidentes, distraindo as mulheres durante a condução no meio do trânsito.

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

METADE DO CAPITAL DO BPI NO BFA VAI PARA UNITEL

Fonte: o apostolado

A operadora de telefonia móvel angolana, UNITEL, vai ser detentora de 49,9% do capital que o BPI detém no Banco de Fomento Angola, BFA.

O Banco Português de Investimento, BPI, já alienou a participação à companhia angolana, uma operação avaliada em 475 milhões de dólares (cerca de 334 milhões de euros).

O BPI satisfez a exigência do Governo angolano, que impôs a libertação de cerca de metade do capital que o banco português detém no BFA para investidores angolanos, como condição para conceder licença de operação a este banco.

Feita a alienação, restam apenas a autorização das autoridades competentes e um acordo de accionistas, que vai regular as relações das partes na gestão do BFA.

A assinatura dos respectivos contratos está agendada para o fim de Outubro próximo e a concretização da transacção até ao fim do ano.

A aposta na UNITEL foi a forma encontrada para excluir a SONANGOL do negócio, já que a petrolífera angolana é um dos principais accionistas do BCP, maior rival do BPI.



Comentário: A saga continua.As eleições, não vêm mudar nada.Antes pelo contrário, vieram ajudar à continuidade desta máfia de sugadores, à luz das leis que eles aprovam, e lhes permitem pressionar quem eles bem entenderem, rumo à ganância e detenção dos monopólios de investimento fundamentais para o país.Não haveria nada a dizer ou a comentar se a detenção desses monopólios fosse em prol do povo.Tal, não vai acontecer, servindo de exemplo este caso, a UNITEL é pertença de uma das filhas do Presidente de Angola.

Ele (JES + MPLA) e elas(filhas herdeiras), vão continuar a comer tudo.Nem os ossos vão deixar, ou oferecê-los ao povo.

O povo, fez a sua escolha, através do voto. Só merece, recolher ou colher de acordo com a sua escolha, sem lamentos.

As organizações humanitárias (ONG), deveriam abandonar Angola.Deixar os sugadores, cuidarem do povo mais carenciado e abandonado nos confins do mato.Deixá-los trabalhar no duro, sem lamentos nem desculpas da guerra.

Colocar a primeira dama ( mulher de JES) e suas filhas e filhos, a trabalharem directamente no mato, investindo na recuperação das condições de sobrevivência do povo, ao invés de andarem a sugar as riquezas de Angola investindo nas suas fortunas pessoais dentro e fora de Angola.

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

França cessa inquérito por corrupção contra Eduardo dos Santos

Fonte: Lusa

(foto:aperto de mão à corrupção)


Lisboa - A justiça francesa cessou um inquérito ao património em França de cinco líderes africanos, entre eles José Eduardo dos Santos, aberto após queixa da organização não-governamental Transparency International, que os acusa de desvio de fundos públicos.

O inquérito preliminar, aberto em Julho pela procuradoria parisiense, foi arquivado "no início de Setembro, dado que a infracção não estava suficientemente detalhada" na queixa apresentada, afirmou à agência francesa AFP uma fonte judicial.

William Bourdon, advogado da Transparency International France, afirmou que o arquivamento já era esperado, e que uma nova queixa civil será apresentada em breve, conforme a permite a lei francesa.

Além de José Eduardo dos Santos, a queixa visava Denis Sassou Nguesso (Congo), Omar Bongo, Teodoro Obiang (Guiné Equatorial) e Blaise Compaoré (Burkina Faso), além de membros dos seus círculos, todos acusados de comprar imóveis e outros bens em França com dinheiro desviado do erário público dos seus países.

Em Março de 2007, três associações francesas apresentaram uma queixa semelhante, que levou à abertura de um inquérito preliminar, também arquivado alguns meses mais tarde.

De acordo com o diário francês Le Monde, o inquérito permitiu apurar que Omar Bongo e seus familiares eram proprietários de 33 apartamentos ou moradias de luxo em França, e que Denis Sassou Nguesso tinha pelo menos três moradias de grande dimensão em Paris.





Comentário:Mais comentários para quê.Se andam todos a comer do mesmo prato.Se andam todos com os problemas graves nos seus respectivos países.JES, é um dos maiores corruptos.Sarkozy, é um playboyzinho.

Não se admirem, se um dia virem, um PALÁCIO mandado construir por Sarkozy em Angola, com o dinheiro desviado do erário público francês, ou com o dinheiro do erário público dos angolanos, como recompensa de JES ao seu amigo playboy, pelos favores prestados à sua pessoa.

É com ajudas como estas, que a comunidade internacional, que tem interesses em Angola, consegue transformar um DIABO - CORRUPTO - DITADOR em Anjo - honesto - Democrático

Eleições para quê?

Observadores para quê ?

Quem votou, foi o povo angolano.Mas, com a consciência corrupta do DIABO, transformado em Anjo.

Talvez, no dia em que o DIABO desaparecer, os angolanos pensem e sonhem em viver num país justo, livre e democrático. Até que esse dia chegue, por vontade expressa na urna, vão ter que carregar a CRUZ que judas preparou para o povo.

A partir de agora, nem os governantes, nem o povo angolano, têm o direito de viverem às custas dos donativos das organizações humanitárias internacionais.

A partir de agora, ambos não têm o direito de tirar o pão da boca a outros povos que pagam os seus impostos, e os representantes dos respectivos países, desviam para ajudas donativas ao povo angolano.

A partir de agora, já não há desculpas, para o PERDÃO DE DÍVIDAS de ANGOLA aos outros países.

A partir de agora, o povo angolano, vai ter que trabalhar à sua custa.Caso contrário, será uma vergonha quer para o povo, quer para o partido vencedor das eleições.

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Observadora diz que as eleições foram viciadas pelo MPLA


Fonte: Angola24Horas

As eleições legislativas angolanas de sexta-feira e sábado foram "viciadas" desde o início pelo partido no poder, razão pela qual se pode compreender a esmagadora vitória do MPLA, disse hoje à Agência Lusa uma investigadora portuguesa.

Paula Roque, analista de política internacional do Instituto de Estudos de Segurança (ISS), com sede em Pretória (África do Sul), adiantou que os "media" angolanos foram "totalmente manipulados" pelo poder e que, ao longo do último ano, "toda a população foi devidamente enquadrada".

"Os sobas (chefes do poder tradicional) estavam estruturados, os (agentes dos) serviços de informações espalharam-se pelo país para criar o medo, os apoiantes do MPLA foram muito agressivos em relação à oposição", sustentou a investigadora portuguesa, que esteve como observadora eleitoral nas províncias do Huambo e Luanda, tendo já regressado a Pretória.

Sublinhando que, durante a sua permanência em Angola, manteve contactos com a sociedade civil, com a Igreja e com dirigentes partidários das principais forças políticas, Paula Roque disse à Lusa por telefone ter testemunhado, nalguns casos, e que lhe contaram, noutros, todas estas situações.

Segundos os resultados provisórios da votação, e quando estão contados mais de 80 por centos dos votos, o MPLA ultrapassa também os 80 por cento das escolhas dos eleitores, deixando a UNITA com apenas pouco mais de 10 por cento.

"O poder corrompe e o poder total corrompe totalmente. A manipulação extrema da votação levou a esta situação. Cria-se assim um 'Estado de informadores' que é muito perigoso para a democracia. É preciso ter confiança dentro do Estado, caso contrário", alertou Paula Roque, doutorada em Antropologia Social pela Instituto Superior de Ciências do Trabalho e Empresa (ISCTE) de Portugal.

Segundo a também mestre em Direitos Humanos, título obtido na London School of Economics, o reconhecimento, pela maioria das missões de observação eleitoral internacionais, de que a votação foi "livre, justa e transparente" tem também subjacente os grandes interesses económicos e políticos da comunidade internacional.

"Convinha manter a estabilidade política. Há grandes interesses económicos e políticos que não deixam que se questionem os direitos democráticos, pois o crescimento económico em Angola é o mais alto do mundo", afirmou a investigadora portuguesa, cujo mestrado se centrou particularmente nas leis dos Direitos Humanos e do Direito Humanitário e também nas Relações Políticas Internacionais em África.

Mas Paula Roque responsabiliza também a oposição por não ter previsto este desfecho e por não se ter organizado antes da votação, o que permitiu uma "propaganda extraordinariamente eficiente" por parte do MPLA.

Nesse sentido, questionou sobre qual o papel da UNITA, "que está dividida", e dos outros partidos, "que consideram o "Galo Negro" arrogante por não se juntar à restante oposição, no futuro, tendo em conta que haverá eleições presidenciais em 2009.

"Tudo isto é mau para a democracia. Mas o ónus está agora do lado do MPLA, que terá de cumprir ao longo dos próximos quatro anos as promessas feitas na campanha das legislativas", sublinhou Paula Roque, que trabalhou anteriormente no Instituto Sul-Africano de Assuntos Internacionais como coordenadora do Programa de Análise da Presença da China em África,

"Agora, o governo será só MPLA, pois não haverá UNITA que, estranhamente, nem sequer recorreu para o Tribunal Constitucional para contestar os resultados. O MPLA não terá desculpa para não cumprir", concluiu a investigadora portuguesa.


Comentário:Não sei, porque razão, estão a fazer tanto alarido à volta das eleições em Angola.No meu caso pessoal, eu já estava a prever, quer o resultado, quer os lobbies de conveniência das comunidades internacionais.Angola, tem tanto de riquezas, como de corrupção.Ao ponto, de contaminar internacionalmente todos os países envolvidos na sua construção, e acima de tudo na sua envolvência económica.A crise é mundial.É natural, que Angola com as suas riquezas, seja cobiçada, e que os DONOS DELA - MPLA DO JES, à custa da corrupção e da chantagem, tenha usado de todos os meios e influências.Caso contrário, quem desobedecesse às regras do jogo, teria a vida complicada, relativamente aos interesses ecónomicos de investimento.
Assim, é mais cómodo e vantajoso para as comunidades internacionais, aliar-se à corrupção, mantendo o MPLA no poder, para bem deles e para o mal do povo angolano.
Vamos aguardar, pelo tempo.Vamos aguardar, pelas respostas que o MPLA, vai dar ao povo nos próximos quatro anos.
Diz o velho ditado: Ver para crer.De promessas está o mundo cheio....

Angola/Eleições: Resultados são "assustadores para a democracia", diz José Eduardo Agualusa

Fonte: Visão

Lisboa, 10 Set (Lusa) - O jornalista e escritor angolano José Eduardo Agualusa defendeu hoje que os resultados das eleições legislativas de sexta-feira em Angola são "assustadores para a democracia", com o espectro de um "pensamento político único" nos próximos anos.
Em declarações por telefone à Agência Lusa, Agualusa considerou que os resultados, apontando para uma vitória do MPLA com mais de 80 por cento, representam "um regresso ao partido único", com a desvantagem de, agora, ser legitimado pelo voto.
"Os resultados são assustadores e preocupantes. É um regresso ao partido único, só que através do voto. Não há democracia sem oposição. Não há correntes de pensamento no Parlamento, por excelência, a casa da discussão democrática", sublinhou Agualusa desde Bruxelas, onde participa, quinta-feira de manhã, num evento promovido pelo Parlamento Europeu.

Sobre esta questão, o porta voz do MPLA recusou hoje a possibilidade de a esmagadora vitória alcançada nas eleições legislativas de sexta-feira poder levar a um sistema virtual de partido único em Angola.

Respondendo aos jornalistas depois da declaração de vitória nas legislativas, o porta voz do MPLA, Norberto dos Santos "Kawata Kanawa", fez a comparação com a Europa, "onde as vitórias alargadas não conduzem a regressos dos partidos únicos", garantindo que "em Angola também será assim".

José Eduardo Agualusa, mostrando-se também "extremamente preocupado" com a pressa do reconhecimento da validade dos resultados, comparou, sem os pôr em causa, com uma eventual situação idêntica registada em Portugal ou noutro qualquer país europeu.
"Não acredito que ninguém ficasse preocupado. Os comentadores e jornalistas debateriam tudo até à exaustão. Só que é Angola... O resultado das eleições é um revés para a democracia e um pouco assustador. A grandeza da democracia está na diversidade de opinião e não na pobreza de pensamento", sustentou, aludindo ao facto de o futuro Parlamento angolano perder várias forças políticas.

Nesse sentido, Agualusa não deu qualquer importância ao facto de as principais forças da oposição ao MPLA não se terem unido em torno de um só objectivo, derrubar o partido no poder desde a independência, em 1975, defendendo que cada partido "tem a sua visão política".
"A oposição não tinha de se juntar, uma vez que cada partido tem a sua visão. Não concordo com essa ideia" de unificação da oposição para combater o poder do MPLA, explicou o jornalista e escritor angolano, lembrando que o Parlamento saído das eleições de 1992, as primeiras, era mais equilibrado.

De acordo com os últimos resultados, ainda provisórios, o MPLA tem mais de 80 por cento dos votos, enquanto a UNITA, principal partido da oposição, aparece em segundo lugar mas apenas com pouco mais de dez por cento dos votos.