sábado, 31 de maio de 2008

Destaque: África Minha no Global Voice


Sub-Saharan Africa

Cazimar divulga a notícia de que o navio chinês An Yue Jiang teve autorização para atracar no porto de Luanda para descarregar mercadorias que eram destinadas a Angola. A blogueira então pergunta ao presidente angolando José Eduardo dos Santos para que ele precisa de armas e chama o povo para a reação: “Angolanos, cuidado com a entrega das armas.O feitiço pode estar prestes a virar-se contra o feiticeiro.As armas, são a única garantia da vossa independência (pela qual lutaram ), contra esta corja de ditadores e negociadores corruptos.Eles estão a desamar-vos, para puderem massacrar-vos.A arma do voto, vai ser uma FARSA.Um espectáculo de circo made in China, idêntico ao Zimbabu e Quénia”.


A mesma versão em Inglês

Cazimar [pt] echoes the news that the Chinese An Yue Jiang ship was allowed to dock in Luanda only to unload merchandise destined for Angola. The blogger asks Angolan president José Eduardo dos Santos why he wants weaponry and call people to react: “Be careful with this delivery of weapons. You may be backfired. The weapons are your only guarantee of your independence (for which you fought), against this gang of dictators and corrupt negotiators. They'll try to disarm you, so that they can massacre you. The voting weapon will be a farce. A circus made in China, similar to Zimbabwe and Kenya.”

Públicamente deixo aqui expresso, os meus agradecimentos a Paula Góes e ao Global Voices pela atenção dispensada a este espaço.Prometendo continuar a divulgar para o bem e para o mal, todos os factos que entender ser relevantes no sentido de contribuir para uma visão de Angola, sem restrições à liberdade de expressão e livre circulação de opinião.Sem tabús e esquemas de marketing partidários.

7 comentários:

fernando baião disse...

Não acredito no li, que a campanha da retirada de armas das populações é uma artimanha do MPLA para massacrar o povo? Devem estar "loucas", é não ter o mínimo de conhecimento do que se passa em Angola e especialmente, em Luanda.Todos os partidos políticos apoiam esta decisão, atendendo aos arsenais em poder da população, em razão da guerra civil que assolou o país.Os angolanos não são todos boçais ou mentecaptos, têm a maturidade suficiente para descernir o bem do mal, todos os sábados circulam em Luanda,semanários que expressam livremente a sua opinião, e não são a favor do partido no governo, atacando os seus governantes, generais e outros. Comentários desta indole, passo.Criticar sim, mas com maneiras, despejar incongruências para não dizer outro nome, não ajudam nada o nosso país. Sofrem de alguns resquícios do colonialismo que a gente não saiba?

cazimar disse...

Caro fernando, por aqui costumo dizer muitas vezes: Em Angola até o impossível é possível.
Partindo desta base, e se na verdade é um conhecedor da realidade histórica de Angola, sabe perfeitamente, seja antes ou depois do colonialismo, ou de outro "estigma" que possa surgir futuramente, o objectivo de certas mensagens é mexer com os neurónios e respectivas mentalidades e aparências, mesmo que o objectivo pareça irrealista.

Gostaria de desafiá-lo a responder a uma questão:Já que tudo que se escreve e fala sobre Angola, nomeadamente vindo do exterior possa ser considerado por si como incongruências e resquícios do colonolialismo :
- Porque razão um angolano (?) com a sua visão tão realista e positivista,não prefere estar entre o seus em Angola, ao invés de preferir ser um refugiado num canto qualquer do mundo?

Algum trauma, vivido que a gente não saiba ou que não mereça saber ?

Kandandu

fernando baião disse...

Cazimar
Deve estar enganada, eu vivo e sempre vivi em Angola, excepto quando fui para a Bélgica, onde estive muitos anos, aí sim refugiado. Se este ano estou aqui mais tempo,no seu país de adopção, penso eu, motivos de saude graves a isso m'oblige.Devia perguntar primeiro e depois dar palpites, porque parece que quem não vive em Angola é a senhora ou a menina. Mais uma vez se enganou. Não tem kijila.

fernando baião disse...

Só um esclarecimento, eu não disse que tudo o que se publica fora de Angola é incongruente, apenas referi o comentário desastroso sobre a recolha de armas. Já disse e repito, respeito a opinião de toda a gente, mas não aceito comentários sem qualquer fundamento, apenas por não se gosta de A ou B. Que Angola está mal todos nós, lá na terra, sabemos.
Tenha um bom fim de semana. Continuamos kambas.

cazimar disse...

*fernando, está a ver " há sempre um motivo, para não estarmos na nossa terra", porque será?
- Falta de condições ?

* fernando, não entendi essa de perguntar primeiro e de dar palpites.
Onde é que errei, e qual é o palpite ?
* O importante é o momento presente.E esse, está ou não a vivê-lo em Portugal?

Sem makas ou como diz kijila ;)

Bom fim de semana menino ou senhor

fernando baião disse...

Sem estar a querer fazer diálogo, vim de Angola há um mês e meio, portanto o meu momento presente, deve saber qual é.Os nossos mambos temos que os resolver "nosotros", em Portugal, na Rússia ou nos EUA ou na África do Sul, os problemas deles e que não são poucos, terão que ser resolvidos pelos respectivos povos. Se eu fosse apresentar os podres desses países o seu blog ficava entupido, com miséria, prostituição, tráfico de tudo e mais alguma coisa, de mulheres, por exemplo, e sobretudo, de corrupção. Cumprimentos do menino Baião.

cazimar disse...

Menino Baião

Para que todos entendam a sua linha de pensamento, nada melhor que agarrar nas suas próprias palavras e colocá-las aqui:

*« eu vivo e sempre vivi em Angola, excepto quando fui para a Bélgica, onde estive muitos anos, aí sim refugiado. Se este ano estou aqui mais tempo,no seu país de adopção, penso eu, motivos de saude graves a isso m'oblige»
- excepto quando foi para a Bélgica, onde esteve vários anos regugiado com medo sabe-se lá de quê e de quem - contracensos da sua parte, não acha? Quantos anos é que esteve ausente da sua terra - Angola, vivendo na Bélgica (país europeu)
- no seu país, deve estar enganado, ou confundiu-me com outra pessoa.
*Passemos adiante nos seus contracensos, motivos de doença obrigam-no a estar em Portugal, podia ter escolhido a Bélgica, já que afirma e faz uma listagem da podridão mundial ao qual deve estar apostado em encher este espaço.Mas não se esqueça foi no meio dessa podridão que você veio encontrar o tratamento ou a cura para os seus males de saúde, ao qual lamento, mas não posso deixar de meter o dedo na ferida, para acrescentar:Se a nossa Angola está como diz, porque procurou tratamento fora dela menino Baião ?
*Começa-se a notar os efeitos do destaque do global voices em pessoas como o menino Baião.

*Ou será que a sua acção tem outro tipo de objectivos e pretensões ?;)

O meu bem haja por participar activamente nesses efeitos.

Kandandu