sábado, 21 de junho de 2008

Euro 2008: História de uma eliminação precoce

Fonte: Jornal de Notícias

A eliminação portuguesa nos quartos-de-final do Euro 2008 é um mau resultado. Aliás, até o próprio seleccionador português já o disse, logo após a derrota com a Alemanha. Agora que a equipa das quinas já voltou a casa, há que fazer uma viagem ao que não correu bem.




Falta de físico

A altura, a robustez física e, consequentemente, a capacidade de choque não são atributos desta selecção. Os médios titulares, por exemplo, tinham, em média, 1,74 metros de estatura e 70 quilogramas de peso. Os dois centrais da equipa inicial padeciam do mesmo mal. E isso acabou por ser decisivo diante da Alemanha.

Sem trabalho de casa

É um mal que não é de agora. Coincide, precisamente, com a entrada de Scolari na selecção. O brasileiro é um mestre na motivação dos futebolistas, mas continua a não preparar os jogos da melhor forma, sobretudo em matéria defensiva. E a equipa das quinas continua a ser vítima das bolas paradas. Em 2004, com a Grécia, foi na sequência de um canto. Em 2006, frente à França, num penálti. Agora, diante da Alemanha, por duas vezes na marcação de livres. Não é coincidência…

Falta de lateral esquerdo

A falta de um lateral esquerdo de raiz foi o outro grande problema da selecção. Paulo Ferreira fez o que pôde e o que não pôde, mas, mesmo assim, percebeu-se desde o primeiro jogo, com a Turquia, que era pouco para uma competição deste nível. Era, claramente, o elo mais fraco. Confirmado o afastamento de Nuno Valente, Scolari esteve dois anos a apostar no também improvisado Caneira, para, na fase final, avançar para o futebolista do Chelsea. Incompreensível.

Anúncio de Scolari

O momento do anúncio da saída de Scolari foi cirurgicamente pensado pelo treinador. Confirmado o apuramento para os quartos-de-final, após a vitória sobre a República Checa, o Chelsea teve luz verde para revelar o acordo com o ainda seleccionador português. Se esse momento não afectou o técnico, o mesmo não se poderá dizer da equipa e da própria FPF. Os jogadores nunca esconderam a surpresa da notícia, ao passo que Madail esteve até ao final da prestação portuguesa remetido ao silêncio e escondido num comunicado emitido no site da FPF. Coincidência ou não, desde que a saída de Felipão foi oficializada, a equipa das quinas somou por derrotas os dois jogos disputados.

Cristiano Ronaldo

Apesar da dura época que teve pela frente, apareceu em excelentes condições físicas. No entanto, o seu rendimento acabou por ficar aquém do desejado. A partir do momento em que a mais do que provável transferência para o Real Madrid passou a andar nas bocas do mundo, o extremo do Manchester United nunca mais foi o mesmo. Havia sempre qualquer coisa que não saía bem. Houve pouco Ronaldo e muito Real Madrid.

Eternos suplentes

Um banco que tem Meira, Bruno Alves, Raul Meireles, Veloso, Nani e Quaresma não pode ser desprezado. Se é verdade que, diante da Suíça, nenhum deles agarrou a titularidade com as duas mãos, não é menos verdade que Scolari é um treinador "quadrado" na forma de pensar. É incapaz de mudar a equipa em função do adversário. Quem não entra de início no onze, sabe que vai passar ao lado da competição. É sempre assim…

Os erros de Ricardo

É, claramente, o calcanhar de Aquiles da selecção. Capaz de defesas fantásticas entre os postes, foi, mais uma vez, uma pobreza nos cruzamentos. Ficará para sempre ligado à eliminação com os alemães. Em 2004 e 2006, escondeu essa intranquilidade com actuações empolgantes em vitórias no desempate por grandes penalidades. Desta vez, não houve Inglaterra para esconder o que todos sempre viram e que Scolari nunca quis ver.


Comentário: Desculpem-me todos os apoiantes de Scolari, mas sem dúvida nenhuma que o único trabalho de mérito que ele conseguiu desenvolver não só ao nível dos jogadores mas também ao nível do país, foi únicamente elevar aos níveis da auto-estima.

À custa dessa fraqueza, Scolari foi subindo os níveis da fasquia na admiração por parte dos portugueses.Factos como este são um mau indicador para o estado em que Portugal se encontra nos sectores, sociais, económicos, políticos e desportivos.De costas voltadas para estes problemas em que o povo não vê nem sente melhorias, o escape concentra-se na selecção de futebol, nas bandeirinhas do Scolari como se ele fosse um salvador que aterrou em Portugal para salvar esta nação desorientada e afundada desde há muito tempo em políticas de governação assentes na hipocrísia e mentira.Os próprios políticos eram apoiantes incondicionais de Scolari, pois este veio resolver um problema que eles nunca conseguiram e tiveram capacidade para resolver, visto eles serem os únicos culpados do estado depressivo dos portugueses e do marasmo profundo em que se encontram.Quantas mais bandeirinhas o Scolari pedisse para os portugueses colocaram à janela, mais aplausos recebia por parte da classe política eufórica.Scolari olheiro e viseiro, analisou a situação e pegou no elo mais fraco dos portugueses naquele e neste momento.O elo, da auto-estima deplorável que a selecção e o país atravessavam e atravessam.

Scolari soube aproveitar-se dessa situação, e quando começou a presentir que as suas filosofias não acompanhavam certos resultados dentro das quatro linhas, começou a procurar outras alternativas fora delas e a tirar altos dividendos.Era previsível que este casamento fosse terminar da maneira como terminou.

Para quem tem memória curta, Portugal foi o organizador do Euro 2004, teve todas as condições para alcançar o título, perante um adversário como a Grécia sem pregaminhos futebolísticos e no entanto não conseguiu o tão desejado título, tudo devido à má preparação e falta de conhecimentos da cultura táctica de Scolari (sempre na defensiva).Os resultados positivos que foi obtendo deveu-se exclusivamente a jogadores como Figo e Rui Costa.Estes dois símbolos do futebol português desfraudados por não terem conseguido o título do Euro 2004, tomam a decisão de abandonar a selecção, pois só assim os fanáticos e seguidores de Scolari iriam perceber que a falta de êxito nos resultados deve-se exclusivamente à má preparação do seleccionador para nos momentos críticos saber encontrar e tomar as decisões tácticas acertadas onde era pago a peso de ouro num país afundado num défice estrondoso.

É inegável o mérito de Scolari para analisar e avaliar até onde poderia ir e o que poderia ganhar com a situação.

É impensável, alguém ter a coragem para chamar Burro ao Scolari.

A existirem burros, eles serão exclusivamente a Federação Portuguesa de Futebol que para além de o ter contratado a peso de ouro, tolerou e consentiu situações a Felipão que não tolaria a um seleccionador português.Os outros burros que acompanham a FPF, são o próprio povo português que deixou-se ir na "onda " da lábia maliciosa de Scolari.

Provávelmente Scolari não vai ter a mesma sorte de conseguir enganar e de levar na onda os ingleses.

Os ingleses, já começam a reclamar pelas suas atitudes e comportamentos evasivos às questões fundamentais, e ele ainda nem sequer começou a treinar.

12 comentários:

fernando baião disse...

Portugal continua pequenino, subserviente perante um senhor que se aproveitou das fraquezas deste povo para subir na vida, bom de pópia, mau de bola.E todo o mundo bate palmas às imbecilidades desse senhor. Com um bom treinador, a equipa de Portugal pode ir longe em todos os campeonatos, não pode é começar qualquer torneio e logo afirmar que vão ser campiões, mas o futebol é isto, já o Salazar dizia, Fado Futebol e Fátima, para alimentar o ego dos portugueses.Quando o senhor Scolari anunciou que ia para o Chelsea deveria ter sido logo demitido, mas falta coragem aos dirigentes para tomar posições certas e duras.

cazimar disse...

*Caro fernando: nem mais.
Se foi proibido aos jogadores durante o Euro não falarem nem tratarem dos assuntos relativos aos seus clubes e propostas, para não destabilizarem o grupo de trabalho.Como é que foi possível o próprio seleccionador ser o primeiro a prevaricar as regras e a destabilização.Deveria ter sido logo encaminhado para a porta da rua.Porque afinal, nos jogos seguintes os resultados principalmente contra a Suíça são impensáveis.Uma equipa com carácter de vencedor, nem a feijões gosta de perder.Não há desculpas possíveis para este tipo de fracassos.Quem organizou e idealizou a equipa para esse jogo foi o seleccionador.Ele é que é o responsável quer pelo resultado quer pelo rendimento dos jogadores.Como se verificou não estavam à altura nem de uma Suíça.Logo aqui foi dado um sinal, que o jogo com a Alemanha iria ser um bluf desastroso, devido não só à falta de trabalho de casa, mas também porque o seleccionador já tinha a cabeça no Chelsea.Se ele não tivesse assumido nenhum compromisso (contrato assinado), até "murros" daria aos jogadores alemães.

Penso eu de que ...

Abraços

Anónimo disse...

Colocar culpas no Scolari é muito mais fácil que exigir dos jogadores. O que vimos foram vários jogadores portugueses a jogarem como jogaram no euro 2004 (nessa época eu ainda estva em Portugal) e perderam para a Grecia. O que vimos e vamos a continuar a ver é um grupo de jogadores que só pensam individualmente e não em equipe. O Cristiano Ronaldo, o Simão Sabrosa e outros só pensam em receber os próprios "louros", eles querem fazer e, digo cada um só quer fazer o golo e vangloriar-se sozinho. Por isso é que Portugal foi elminado em 2004 e agora. Neste último jogo viu-se bem, a 25 minutos do final do jogo, eles lembraram-se que eram uma equipe e deixaram de lado o individualismo, a partir daí o panorama mudou. Já proximo ao final do jogo viu-se também além da união, a GARRA, que antes faltava. Os Srs. jogadores deveriam ter começado o euro com a mesma GARRA com que terminaram, deveriam ter pensado em equipe como terminaram. Os jogadores portugueses, pricipalmente o Cristiano Ronaldo, pareciam que eram estrelas maiores. A vaidade os traiu. A vaidade do Cristiano Ronaldo era impressionante, o individualismo igual, chutava à balisa de qualquer àngulo, mesmo tendo um companheiro, Nuno Gomes ou outro em melhor posição; resultado, mandava a bola para paço, literalmente e depois fazia aquelas "caretas" de decepção, que já são marcas registradas suas. Salvo alguns jogadores, portugueses como Nuno Gomes, Nani e/outros e os brasileiros Deco e Pepe, os outros jogadores, comandados pelo menino Cristiano, pareciam senhoras a jogar de "salto alto", tamanha era a delicadeza deles. O peso e altura até podem fazer a diferença, mas quando existe GARRA e vontade de vencer a qualquer custo, cada homem dentro de campo vira um gigante. Vejam o exemplo do Iraque, um povo com armamento rídiculo comparado aos dos americanos, estes, americanos não os conseguem vencer, porquê? Os iraquianos têm o que faltou à seleção portuguesa: GARRA. Quanto ao Scolari ser contratado a "peso de ouro"!!, isso não concordo, o Scolari foi contratado pelo preço que o mercado o avaliou.Se quisermos beber um vinho reserva Alentejano, pagamos o preço dele, e não o preço da jarra de vinho vendida no tasco. Que Portugal não deveria contratar o Scolari, isso eu concordo, assim como concordo com quem foi contra em Portugal sediar o euro 2004.Como um país como Portugal, constrói estádios de futebol e, o povo não tem hospitais, e ainda existam pessoas a passar fome ? Ou seja, o problema não é o que o Scolari ganha e sim o que Portugal pode se dar ao luxo de gastar. Eu gostaria de viajara Portugal para encontrar uns amigos no fim deste mês e apesar de ter esse dinheiro, não o posso gastar, porque senão depois a minha família passará dificuldades. Acham isto lógico ou não? Vamos esperar e ver se os jogadores da seleção das quinas, aprendem de uma vez por todas, que o euro ou copa do mundo, são competições rápidas e que têm de ser feitas em equipe e com GARRA, comportando-se como homens e não como senhoras de salto alto.
Alexandre

Anónimo disse...

Cazimar:
Discordo de ti quando dizes que se o Scolari não tivesse assinado com o Chelsea, faria diferente com a Alemanha. Estás muito equivocada, o Scolari, dispensou e dispensa a maior atenção a Portugal. Aqui na rede Globo, e no canal de esportes ele deu uma entrevista, onde não economisou elogios a Portugal, portugueses, jogadores e federação portuguesa.Anunciar a saída nas quartas de final, é irrelevante; qualquer um já sabia que o Scolari sairia, porque Portugal não teria mais como chegar nem perto dos valores a ele oferecidos. E mais, sabendo nôs o quanto vale um selecionador campeão do mundo, sendo brasileiro ou não, eu na época em que foi falado que Portugal contrataria o Scolari, pensei que fosse brincadeira, porque não cabia na minha cabeça, o futebol português gastar tanto dinheiro quando o país já estava um caos! Mas contrataram, depois, para minha surpresa também, fizeram o euro 2004. Porque é que o povo não fez mais uma revolução do tipo a dos cravos? O salário pago ao Scolari, a federação teve os valores de volta, em publicidade e marketing que ele fez, já os valores dos estádios esses nunca mais voltarão e se voltarem vai ser daqui a 50 anos. Em Aveiro foi construído um estádio, que dariapara construir dois hospitais maiores que o de Aveiro atualmente e, ainda sobravam dinheiro para pagar os médicos que lá trabalham , pelo periódo de 20 anos. Por isso Cazimar, o problema não está nunca no Scolari. Os jogadores tiveram a oportunidade de terem um grande treinador, não aproveitaram. Agora gostaria de ver quem será o proximo selecionador. Cazimar? será que o António Oliveira , vulgo "Oliver desportos" não saiu mais caro que o Scolari? Esse sujeito, António Oliveira, nunca prezou pela honestidade nem pela moral!!
Abraço,
Alexandre

cazimar disse...

*Alexandre

Quem é o responsável por permitir que Ronaldo e Simão façam de um jogo da selecção a sua montra privada de exibição ?

*Eu e tu ?

*Mais, Portugal tem no banco mais jogadores, capazes de fazerem melhor.Porque razão o treinador não opta pela mudança, daqueles que estão segundo dizes a usar a selecção como a sua montra da vaidade

* Abraços

Anónimo disse...

Cazimar:
Só falar contigo por aqui já é um grande prazer, a forma de exemplificares as coisas, são o maximo!!! O termo que usás-te "montra privada" é um "luxo"!! Já deves ter reparado que sou um fã do teu blog e de tudo o que tu escreves, mas ..... vamos à minha opinião sobre a montra.
Portugal, de um modo geral (os angolanos, emigrantes e alguns mais são exceção à regra) é um país de vaidosos: o sr. Dr. fulano de tal; o sr. eng. não sei das quantas e por aí vai... infelizmente as pessoas preocupam-se mais com as vaidades e com o seu próprio umbigo; desta forma o Scolari poderia substituir sem dúvida alguma, mas entraria mais um vaidoso a "querer aparecer na montra". O problema é que eles fazem da seleção, nas competições, usando as tuas palavras: um montra! e, a culpa é do selecionador? Se eles tivessem GARRA, o euro/2004 e este, estaria em Portugal concerteza, porque a equipe montada pelo Scolari, tinha e tem condição de ganhar uma copa do mundo. O Scolari disse isso em entrevista a um jornalista da rede Globo e, a Globo estava a passar isso para o Brasil inteiro e, para o mundo atravês da Globo Internacional, que também passa aí em Portugal.Ou seja, o Scolari disse:O Brasil pode ter a certeza que Portugal será um adversário difícil na proxima copa do mundo. Todos viram que Portugal não era inferior à Alemanha, dentro de campo,e durante uma parte no início do jogo, Portugal comandou, depois, começoaram as vaidades, as "caretas" do Cristiano etc.etc. e a partir daí, eu, que não sou vidente, disse: assim de "saltinhos altos, olhinhos e boquinhas " já, já tomam um golo; infelizmente, não deu outra.
Mas, Cazimar, eu tenho muita admiração por quem faz o seu trabalho bem feito e, por isso admiro o Scolari, não por esse ser brasileiro, pois eu sou português, vivo hoje no Brasil,por motivos de saúde do meu filho e nada mais. Sou apenas fã das pessoas que fazem um excelente trabalho, independente de serem, minhas amigas, conhecidas, ou de que nação e raça sejam. Cada vez que eu erro, procuro me emendar; já fui vaidoso, aprendi a sê-lo quando estudava em Lisboa há muitos anos atrás, todos nôs eramos. Acho que isso faz "um pouco parte da maneira de ser dos portugueses que nunca se arriscaram além -mar. Abraços,

Alexandre

cazimar disse...

Alexandre

*Em primeiro lugar, agradeço as tuas palavras, em meu nome e do meu espaço.
*Em segundo lugar, é com um enorme orgulho que eu e este espaço agradecemos a tua participação.
*Em terceiro lugar, eu não tenho nada contra o Scolari.Isto é, (como tu dizes) ele não tem culpa que a FPF tenha aceitado as condições e os métodos de trabalho que ele impôs quando assinou o contrato, mas atendendo aos valores ambos são responsáveis.A minha única condenação relativamente a Scolari vai no sentido de ele ser um treinador teimoso de ideias fixas, e isso é do conhecimento geral quer no Brasil quer em Portugal e até mundial.Esta teimosia pode acarretar consequências e reflexos numa equipa, que se habitua a jogar sempre no mesmo sistema, e quando surgem obstáculos, surgem também as deficiências para ultrapassá-los,devido ao facto de os responsáveis pelas as equipas dos outros países, saberem de antemão que o sistema de Scolari é sempre o mesmo.O sistema da teimosia.Se Scolari adoptasse como recursos outros sistemas, talvez quando os obstáculos surgissem dentro do campo os jogadores estivessem melhor preparados para os ultrapassar, não necessitassem de recorrer à montra do individualismo, para resolver o resultados.Isso consegue-se nos treinos, o tal denominado trabalho de casa.O que parece acontecer é que Scolari elabora o sistema de treinos em função exclusiva dos jogadores portugueses, esquecendo-se que eles vão jogar contra outros jogadores adversários sobre os quais Scolari parece desprezar e não incluir nos seus planos de treino.
Eu própria já fui treinadora de equipas, e muitas das vezes, fui forçada a alterar os sistemas tácticos em função das outras equipas e nunca em função do jogador A ou B da minha equipa.

*Eu não tiro o mérito ao trablaho que Scolari fez em Portugal ao trabalhar as massas populares.Porque sei, que as massas populares são muito importantes relativamente ao incentivo dos jogadores.Ajuda a aumentar os índices de confiança.

*Mas depois de o Scolari ter conseguido aumentar esse índice de confiança quer ao nível dos jogadores quer ao nível das massas esperava-se muito mais dele, ao nível da sua prestação e conhecimentos tácticos.Scolari sabia que os alemães eram mais altos, porque razão não optou por colocar ao nível da defesa jogadores como Bruno Alves e Fernando Meira conjuntamente com Pepe (para mim conjuntamente com Deco um dos melhores jogadores em campo em representação da selecção).Com esta alteração teria ajudado a criar talvez um equilibrio ao nível de estaturas entre a defesa portuguesa e os alemães.Isto chama-se alterar sistema táctico, correndo riscos em função do adversário de forma anular os seus pontos fortes.Scolari não corre riscos, deixa-os por conta dos jogadores.

Abraços

Anónimo disse...

Cazimar:
Depois de me dizeres que já foste treinadora, aí fico calado e presto atenção no que dizes; porque como treinadora, tens uma visão bem diferente de um leigo. Como tal tens a visão técnica do que se passa, o que um leigo não tem, vendo assim tenho que aceitar que o Fernando Meira faria mais falta, sem dúvida. Esperemos mais sorte na proxima.
Abraços,
Alexandre

cazimar disse...

Alexandre

*Não podemos ir por aí.Apesar de ter tido essa oportunidade de treinar equipas, nem sempre os meus critérios e a visão sobre os factos, poderão ser os mais correctos.
*Só que eu penso que ao nível da alta competição é preciso que os níveis das exigências devem ser elevados e responsabilizados por todas as partes envolvidas.
*É o país que temos, contentam-se com pouco.Pegando na tua fé, melhor sorte para a próxima.

Abraços

fernando baião disse...

Tanto a Cazimar como o Alexandre são bons de bola. Gostei de ler os v/ comentários, mas Scolari,não, para além de teimoso, é inconveniente. Quando as coisas lhe correm mal, vira violento.Já devia estar no Chelsea ou noutro clube qualquer, há muito tempo e levar com ele o "minino" Ricardo,rei dos Frangos" e já agora, levar também o Roberto Leal, que nos dá cabo dos ouvidos com as suas canções que não são carne nem peixe.Portugal não é o melhor do mundo nem da europa, mas podia ter feito muito melhor.Vejam só a "garra" dos Turcos?

Anónimo disse...

Aí está Fernando, a "garra" neste caso, dos Turcos. Eles não chegam à seleção de Portugal e lutaram bem. Em 2004, Portugal perdeu para a Grecia, quando já tinha vencido a propria Grecia anteriormente. Portugal, não provou que era o melhor do mundo, e nem da europa, mas eu acredito que na proxima copa do mundo Portugal tem muitas chances de chegar lá, ou muito perto. Agora o Roberto Leal.... nem me fales nessa figura, o cara mora aqui em São Paulo (tem casa em Portugal também) mas à custa desse "sr. gajo" gozam comigo há anos! O cidadão ridiculariza os portugueses que cá moram, com excessão dos "patrícios" daqui que compram os CD's dele e o fizeram rico. Aqui no Brasil, igual a ele tem um tal de Waldick Soriano (é versão brasileira do Roberto Leal) e a música de maior sucesso dele tem o título de : "eu não sou cachorro não " ; outro brasileiro "gozão" fez uma versão em inglês, ridicularizando o Waldick, com o título: "i'm noti dogui nou ". Mas vamos à bola que o debate é muito bom e a alto nível.
Abraços,
Alexandre

cazimar disse...

*Meus caros, está provado que o futebol é a maior paixão do povo.Capaz de fazer esquecer todas as amarguras e problemas sociais.Talvez seja por isso, que a corrupção no futebol ande de mãos dadas com a política.

Abraços